Home / Arte / Fotógrafo francês Jean-Jacques Moles em mostra sobre Benim que apresenta retratos do povo de país africano pouco fotografado e travado entre passado e futuro
Femme Peul transportant des produits laitiers Environs de Natitingou Bénin, 1997. Divulgação.
Femme Peul transportant des produits laitiers Environs de Natitingou Bénin, 1997. Divulgação.

Fotógrafo francês Jean-Jacques Moles em mostra sobre Benim que apresenta retratos do povo de país africano pouco fotografado e travado entre passado e futuro

“Às portas do Benim” faz parte do calendário oficial do FotoRio 2017 e apresenta
fotografias analógicas que se nutre da relação com o outro e seu cotidiano

O Centro Cultural da Justiça Federal abre, na quarta-feira, 17, a exposição “Às portas de Benim”, do fotógrafo francês Jean-Jacques Moles, que lança luz sobre um pouco conhecido cenário: Benim. Exposição apresenta 19 fotografias analógicas em preto e branco, resultado de um trabalho que se nutre da relação com o outro e seu cotidiano.

Publicidade: Banner Luiz Carlos de Andrade Lima

No dia seguinte, 18, às 19h, o artista e o curador Milton Guran conversam sobre o trabalho num bate-papo na Maison de France dando continuidade ao ciclo Quintas da Maison. Entrada gratuita.

O fotógrafo esboça a imagem de um país travado entre passado e futuro, entre as certezas da vida da comunidade tradicional e os desafios da liberdade individual, entre os restos de uma longa história em camadas (o antigo Reino do Daomé, a colonização Portuguesa e Francesa, rituais de vodu, o comércio de escravos em Ouidah, cultura afro-brasileira de Porto Novo, e o ‘Cuba Africano’, experiência comunista entre os anos 70 e 80), e ainda as pressões de uma modernidade ambivalente (a problemática pós-colonial da ‘tutela’ pelos franceses e a violência religiosa nos países vizinhos Nigéria e Burkina-Faso).

Uma abordagem humanitária acompanha seu ensaio que exibe fotografias em formato quadrado, 50X50 cm, ampliações 100×100 cm e ainda formatos panorâmicos, principalmente verticais, 55×132 cm. O fotógrafo se esforça para manter uma relação com seus personagens, revê-los para construir uma história comum e até enviar suas fotografias por correspondência. A realização das impressões analógicas, a edição dos livros e as exposições permitem ao fotógrafo de dividir o que viveu, entre testemunha e diário íntimo.

“Seja qual for o meu destino, eu estou mais atraído ao cotidiano mundano, olhando para o sensacional. E fiel na amizade um sabor inesperado que rapidamente se tornou essencial para mim: a certeza de que no final da viagem uma porta será aberta em uma família, algo acolhedor, atento e curioso, por um tempo partilhado e desfrutado com prazer”, diz o fotógrafo.

Em 2016, ele mostrou “Às portas do Benim” no Centro Cultural Francês, em Contonou – a maior cidade de Benim – e na galeria Vallois, em Paris, durante o evento “Photo Saint – Germain”. Sua necessidade de troca o levou a fotografar Roménia, Cuba, grande parte da África e tantos outros países.

Sobre o fotógrafo – Sua abordagem à fotografia está intimamente ligada ao turismo. O fotógrafo viajante realiza trabalho em países fechados, seja por razões políticas ou econômicas. Suas fotografias são frutas, pacientemente recolhidas ao longo das estadias sucessivas nos mesmos países, com base na troca e confiança.

É na Roménia, após a “Revolução” de dezembro de 1989, que aprende a abrandar o ritmo para capturar o mundo com mais profundidade. Vai ainda para Benin, Cuba, na aldeia de Viñales, e Etiópia.

Apresentando exposições estende o desejo de conhecimento e compartilhá-lo com o público. Já expos mais de 20 vezes na França, e também mostrou seu último projeto “Às portas do Benim” no Centro Cultural Francês em Contonou (Àfrica) e na galeria Vallois em Paris, durante o evento “Photo Saint -Germain” e na Abbey Flaran. A exposição “Je suis Grigore… Un monde rural roumain” prosseguiu até março de 2017 na Abadia de Flaran, no departamento de Gers, na França. E ainda exposições na Casa da Cultura da cidade de Cuba e a Torre da Água Toulouse Gallery.

Sobre o FotoRio – Encontro Internacional de Fotografia do Rio de Janeiro, que passou a ser anual em 2014, chega agora à sua décima edição reforçando seu objetivo maior: o de valorizar a fotografia como bem cultural, dando visibilidade aos grandes acervos e coleções públicas e privadas, assim como à produção fotográfica contemporânea brasileira e estrangeira. Isso, por intermédio de exposições, projeções e intervenções urbanas, cursos, seminários, oficinas, mesas-redondas, palestras e conferências, que visam destacar, através de um evento de porte internacional, a importância da fotografia na comunicação e na vida social contemporânea.

Serviço:

Exposição “Às portas do Benim” – FotoRio
Curadoria: Milton Guran
Abertura: quarta-feira, 17 de maio
Horário: 19h
Visitação: de 18 de maio a 02/07
Terça a domingo, das 12h às 19h
Galeria do 2º andar, nas salas C2 e D2
Endereço: Centro Cultural da Justiça Federal, Av. Rio Branco, 241 – Centro
Rio de Janeiro – RJ
Entrada gratuita
Bate-papo na Maison de France
Data: quinta-feira, 18
Horário: 19h
A MAISON – Espaço Cultural da França – Av. Presidente Antonio Carlos, 58 – 11 andar – Centro – Rio de Janeiro

Evento em português, gratuito, sujeito a lotação

Comentários

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *

*