Accueil / Art / Un auteur de Curitiba décrit une épidémie de maladie hautement contagieuse dans un centre commercial
Livre: & quot; Les hôtes de la mort - Contamination & quot;, couverture - en vedette. Divulgation.
Livre: "Les hôtes de la mort - Contamination", couverture - en vedette. Divulgation.

Un auteur de Curitiba décrit une épidémie de maladie hautement contagieuse dans un centre commercial

Premier livre F. C. Edwin, Os Hospedeiros da Morte – Contaminação aborda zumbis e conspiração governamental

Um grupo de pessoas é mantido preso dentro de um shopping center junto com uma ameaça desconhecida que transforma seres humanos em criaturas violentas e irracionais. É com essa premissa que F. C. Edwin debuta na literatura de terror e ficção científica. Formada em Letras, à l'auteur, que já foi professora de Português, e que atualmente trabalha em uma cafeteria, é fã do gênero desde os sete anos de idade. Mas é ironicamente em meio ao atual cenário mundial também tomado por uma contaminação em massa, qui Les hôtes de la mort - Contamination surge pronto para agradar aos fãs das histórias mais gráficas e viscerais.

“Assinei contrato com a editora em setembro, et, Malheureusement, por coincidência, estamos vivenciando essa terrível doença de fácil contágio que surgiu em escala global”, explica a autora. E ainda bem que a coincidência para por aí.

Publicité: Bannière Luiz Carlos de Andrade Lima

Concebido como o primeiro de uma possível trilogia, já nas primeiras páginas o livro mostra pessoas, entre clientes e funcionários do Imperial Shopping Center, que são misteriosamente trancadas pela polícia e pelo exército nesse local blindado e sem chance alguma de fuga. Fã saudosa de livros e filmes do gênero, Edwin buscou referências entre seus autores e cineastas que formaram sua habilidade criativa, entre Ls, Stephen King, George Romero e Chris Carter, o que fez com que Os Hospedeiros da Morte se tornasse um curioso resultado “repaginado” de muitas fontes do terror e seus subgêneros.

A autora esclarece que os vilões de Os Hospedeiros da Morte, que ela nomeou como “os hemorrágicos” não são exatamente “zumbis”, no sentido literal da palavra, pois se tratam de pessoas vivas, mas que foram contaminadas com a doença enigmática mantida a sete chaves pelo alto escalão no interior do shopping. Eles não estão mortos. Estão infectados. “Perigosamente infectados.” Com o caos instaurado lá dentro, o local é colocado em quarentena. Lá fora, uma multidão se aglomera para ver o que está acontecendo do outro lado das paredes blindadas. A imprensa logicamente chega ao local. E muito longe dali um número seleto de homens engravatados também acompanha o fatídico evento do Imperial Shopping Center.

Apesar de muitas cenas violentas, Os Hospedeiros da MorteContaminação, recém lançado pelo Cohérence du groupe éditorial, não se faz apenas com o objetivo de chocar. A obra também traz nas entrelinhas sua boa dose de crítica, et, conforme sugere a autora, “você pode ler Os Hospedeiros da Morte de duas formas: le premier, como uma tensa, gráfica e eletrizante história de terror; e a segunda, como uma metáfora do nosso falho sistema social, político e moral”. O livro pode ser adquirido através do site da editora.

Réseaux sociaux
Instagram: @f.c.edwin

Cohérence du groupe éditorial
Aquisição: ed-coerencia.lojaintegrada.com.br/os-hospedeiros-da-morte-vol-1

Commentaires

Un commentaire

Laisser une réponse

Votre adresse email ne sera pas publiéeLes champs requis sont surlignés *

*