Home / Arte / Rose Crepaldi Rosseti – “A arte, a vida, a emoção”, por Edmundo Cavalcanti

Rose Crepaldi Rosseti – “A arte, a vida, a emoção”, por Edmundo Cavalcanti

Edmundo Cavalcanti é Artista Plástico, Colunista de Arte e Poeta.

Edmundo Cavalcanti é Artista Plástico, Colunista de Arte e Poeta.

Conquistando o espaço

O universo da escultura apresenta características únicas. Pensar a tridimensionalidade demanda refletir constantemente sobre o diálogo entre espaços cheios e vazios e reentrâncias. É na prática da modelagem que a arte se realiza, seja tendo como ponto de partida um desenho ou pelo imenso prazer de ver certas formas ganhando volume.

As esculturas de Rose Rossetti encantam pela maneira como tratam, por exemplo, o corpo feminino. Os seus melhores trabalhos caminham para a estilização das curvas, estabelecendo imagens sextavadas, em que a riqueza se estabelece na maneira como e realizada a articulação entre o que a artista pensa e o que realiza.

Rose Rossetti é Artista Plástica.

Rose Rossetti é Artista Plástica.

O maior fascínio da arte escultórica se dá justamente em verificar como as mãos, no contato com a argila, matéria-prima da humanidade. Oferecem a oportunidade de refletir sobre o nosso cotidiano existencial. A maravilha do criar se dá nessa passagem daquilo que se sente para o que se vê.

Cada trabalho, nesse sentido, é uma conquista, pois, além das conotações que cada imagem estabelecida instaura, existe a possibilidade de que elas ganhem forma em diversos materiais, desde os mais tradicionais ao mais contemporâneos, que permitem numerosas tonalidades. Assim, a artista conquista seu espaço, erguendo a bandeira perene do processo criativo.

Oscar D’Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Oscar D’Ambrosio: oscar.dambrosio@fcmsantacasasp.edu.br | www.fcmsantacasasp.edu.br

Entrevista

1- Onde você nasceu? E qual sua formação acadêmica?

Nasci em Dois Córregos e cresci em São Carlos – SP.

Formei-me em Farmácia e Bioquímica pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas UNESP – Araraquara/SP.

2- Como e quando se dá o seu primeiro contato com as Artes?

Meu primeiro contato com as artes foi tardio, quando já trabalhava no Instituto Butantã em São Paulo com pesquisa de produção de vacinas e me inscrevi em um curso de modelagem em argila.

3- Como surgiu ou você descobriu este dom?

Foi neste meu contato com a argila que pude me expressar e me identificar com a escultura e foi aí que deixei de trabalhar como pesquisadora para me dedicar exclusivamente às artes visuais.

4- Quais são suas principais influências?

Minhas principais influências vêm dos grandes artistas e obras clássicas da época do Impressionismo e Modernismo.

Sou atraída pelas obras de Henry Moore, com seus grandes volumes, formas e abstração.

As obras de Brancusi com suas formas limpas esbeltas e equilibradas também me tocam.

5- Quais os materiais que você utiliza em suas obras?

Normalmente uso a fundição em bronze, alumínio pintado, fibra de vidro ou resina de poliéster em diversas cores ou transparências para finalizar minhas peças.

Uso também, mas bem menos a soldagem, muitas vezes com materiais reciclados.

6- Como é o seu processo criativo em si? O que te inspira?

Meu processo criativo se inicia de várias formas: com a observação de uma cena ou movimento de pessoas e tento captar esse momento desenhando para depois modelar. Ou modelando diretamente quando uso modelo vivo no atelier.

Tento passar toda a emoção, todo o sentimento que me inspira para a criação da obra.

7- Quando você começou efetivamente a produzir ou criar suas obras?

Minhas primeiras esculturas foram criadas a partir da década de 90.

Publicidade: Banner Luiz Carlos de Andrade Lima

8- A arte é uma produção intelectual primorosa, onde as emoções estão inseridas no contexto da criação, porém na historia da arte, vemos que muitos artistas são derivados de outros, seguindo técnicas e movimentos artísticos através do tempo, você possui algum modelo ou influência de algum artista? Quem seria?

São muitos os artistas que admiro e que acredito terem contribuído muito para o mundo da arte contemporânea. Entre eles estão Matisse, Picasso, Miró, Salvador Dali e outros.

9- O que a arte representa para você? Se você fosse resumir em poucas palavras o significado das Artes na sua vida…

A arte representa para mim a Vida, a emoção.

Comecei a criar bem mais tarde por isso costumo dizer que preciso viver mais uma vida para fazer tudo que desejo. Através da arte eu busco me expressar e externar meus sentimentos.

10- Quais as técnicas que você usa para expressar suas ideias, sentimentos e percepção a cerca do mundo? (Se é através da pintura, escultura, desenho, colagem, fotografia… ou usa várias técnicas no sentido de fazer um mix de formas diferentes de arte).

Sem dúvida meus sentimentos e percepção acerca do mundo se dão através da escultura. E como sou amante das artes visuais tenho dado meus primeiros passos pelo caminho da pintura em tela.

11- Todo artista tem seu mentor, aquela pessoa a quem você se espelhou que te incentivou e te inspirou a seguir essa carreira, indo adiante e levando seus sonhos a outros patamares de expressão, quem é essa pessoa e como ela te introduziu no mundo das artes?

Desde meus primeiros passos na área artística tenho tido incentivo de artistas com quem convivo no atelier e principalmente da artista plástica e professora Francisca Junqueira, que me ensinou todas as técnicas para a criação de minhas esculturas e continua apoiando e incentivando meu amor às artes.

Tenho recebido também muito apoio e incentivo da minha família, José Luís e Olga.

12- Você tem outra atividade além da arte? Você dá aulas, palestras etc.?

Não tenho outra atividade além da arte, minha dedicação à arte é em tempo integral.

13- Suas principais exposições nacionais e internacionais e suas premiações? (Mencione as 5 mais recentes)

  • Participação da Exposição coletiva na Galeria Cia das Artes;
  • Participação da Mostra, Salão de Bouganville de Alphaville;
  • Participação na 12ª edição da Semana de Arte da Poli (XII SAPO);
  • Participação da Exposição Percurso em Alphaville;
  • Participações em 2 exposições do Curso de Pintura Contemporânea no Instituto Tomie Ohtake;
  • Participação na exposição Arte Solidária na Marcelo Neves Art Gallery.

14- Seus planos para o futuro?

Continuar me aperfeiçoando e produzindo arte, criando esculturas que expressem meus sentimentos e possam tocar o coração das pessoas.

15- Em sua opinião qual é o futuro da arte brasileira e dos seus artistas? (no contexto geral) e porque tantos artistas estão dando preferência em mostrar seus trabalhos em exposições internacionais apesar dos altos custos?

Acredito que progressivamente, o artista deixará de procurar as galerias tradicionais e acabará divulgando e comercializando suas obras através das redes sociais. Mas, quando querem atingir um público maior e mais diverso, procuram expor em centros culturais, que são espaços mais amplos e mais abrangentes.

De qualquer forma o contato visual direto com a obra de arte sempre será uma experiência única, tocante e insubstituível em exposições internacionais apesar dos altos custos.

Facebook: Rose Crepaldi Rossetti

Instagram: @roserossetti

.

….

.

Comentários

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *

*