Home / Arte / Andrea Fiamenghi participa de coletiva no Museu Afro Brasil
Artista: Andrea Fiamenghi. Título: “Vanessa de Xangô”. Data: 2017. Técnica: Fotografia. Dimensões: S/D.

Andrea Fiamenghi participa de coletiva no Museu Afro Brasil

Em “Olhares Revelados”, a fotógrafa apresenta 15 imagens que documentam a Cerimônia Águas de Oxalá e as festas do calendário religioso do candomblé

A fotógrafa brasileira Andrea Fiamenghi participa da coletiva “Olhares Revelados”, com curadoria de Silvio Pinhatti, no Museu Afro Brasil. A artista apresenta 15 fotografias da série realizada a convite do babalorixá Pai Balbino de Paula, na qual documenta a Cerimônia Águas de Oxalá e as festas do calendário religioso do Terreiro em imagens que exibem as danças frenéticas dos orixás, o balanço de suas vestimentas, suas manifestações visuais, culturais e simbólicas, além de contar um pouco da história dos descendentes africanos no Brasil. A coletiva ainda exibe trabalhos de Eidi Feldon, Gil Reno, Lucila de Ávila Castilho, Paulo Behar, Pedro Sampaio e Tuca Reinés.

Publicidade: Banner Luiz Carlos de Andrade Lima

A Cerimônia Águas de Oxalá representa um ritual anual de purificação e renovação, realizado durante o mês de outubro. “Considerado um rito de passagem, fim e começo de um novo tempo, tem como referência a água, ciclo de uma nova vida“, comenta Andrea Fiamenghi, que complementa: “Já as Festas, festas públicas, que ocorrem durante todo o ano, pois são várias, seguem um calendário religioso do Terreiro, como exemplo a Procissão de Iamassê, quando sempre a família do Aganju faz louvação aos ancestrais e Orixás”.

O projeto de Andrea Fiamenghi teve início em 2003, no candomblé Ilê Opó Aganju, e já conta com um acervo de cerca de 15 mil imagens. Esta documentação somente pode acontecer sob permissão dos Orixás e com autorização do babalorixá, e retrata desde cenas ritualísticas das cerimônias até as festas, além de fotografias que sobrepõem movimentos dos corpos em imagens da natureza como folhas e flores, criando uma nova leitura poética sobre o trabalho documental. Para a artista, “num resumo, diria que os Orixás me aproximam da força da vida, e fotografá-los me faz estar viva e cheia de Axé”.

A fotógrafa acredita que sua arte representa um objeto de comunicação com o mundo, uma conexão com os espectadores, no sentido de buscar a mobilização para o inesperado, para o poético, para uma “realidade da fantasia”, não algo meramente estético. “Quero que minha fotografia seja o inesperado, o subjetivo, o não óbvio, a surpresa de enxergar em outros paramentos. Desconstruir uma fotografia lógica. A possibilidade de conseguir abstrair do mundo prático e ir para um mundo sensível, sem muitas explicações, onde as coisas falem por si só. Fotografar para mim é como recurso que utilizo ou para documentar algo importante ou para mobilizar o outro com a minha maneira de olhar o mundo. Descobri através da minha fotografia que as pessoas enxergam o mundo de formas completamente diferentes. Como cada um de nós enxerga? Através da sua sensibilidade e repertório de vida. Uma série de componentes genéticos, históricos, ancestrais, culturais. A fotografia possibilita mostrar a minha forma sensível de ver o mundo, as pessoas”, conclui Andrea Fiamenghi.

Sobre a coletiva “Olhares Revelados”:

Vivemos bombardeados de imagens a todo instante, grande parte em razão das diversas redes sociais, as quais se tornaram ferramentas práticas na produção massificada de imagens. A coletiva pretende revelar ao espectador – que vive este momento de banalização da fotografia, com imagens cada vez mais prolixas e sem caráter autoral – “o que há de único e especial do olhar dos fotógrafos escolhidos. A opção por apresentar séries fotográficas de cada artista vem justamente atestar que esses trabalhos foram pesados e medidos com o rigor da técnica e a paixão da arte, com o cuidado do pensador e a criação do artista”, comenta Silvio Pinhatti. Através de uma grande diversidade de trabalhos, é possível identificar o que cada fotógrafo enxerga como belo. “Ampliar essas imagens, expô-las lado a lado – aferindo sentido a cada um desses trabalhos – é uma maneira nobre de resgatar a arte fotográfica”, completa o curador.

Exposição: “Olhares Revelados
Artistas: Andrea Fiamenghi, Eidi Feldon, Gil Reno, Lucila de Ávila Castilho, Paulo Behar, Pedro Sampaio e Tuca Reinés
Curadoria: Silvio Pinhatti
Abertura: 8 de dezembro de 2018, sábado, às 12h
Período: 9 de dezembro de 2018 a 17 de janeiro de 2019
Local: Museu Afro Brasil www.museuafrobrasil.org.br
Endereço: Av. Pedro Álvares Cabral, Parque Ibirapuera – Portão 10
Tel.: 11 3320-8900
Horários: Terça-feira a domingo, das 10 às 17h (permanência até às 18h)
Ingresso: R$ 6,00 (meia entrada para aposentados e estudantes) | Grátis aos sábados
Número de obras: 15
Técnica: Fotografia

.

Andréa Fiamenghi

Nasceu em São Paulo. Vive na Bahia desde os quatro anos. Assim, bem baiana, através da paixão pela fotografia encanta­-se com a obra de Pierre Verger e de Mario Cravo Neto. Depois vem, por assim dizer, o momento dos cursos e estuda técnicas com Walter Firmo e Marcelo Reis, onde aprende principalmente a utilização das cores. Em maio de 2016 realiza em Portugal, no Porto, o Workshop “Platinium Paladium Printer” com Manuel Gomes Teixeira. Inicia suas mostras em 2004, em Salvador. Volta às exposições em 2012 com “Salve babá, salve Odoyá, festa de santo na Bahia”. Esta mostra é apresentada em Salvador e São Paulo. Neste mesmo ano lançou o livro de fotografias “Paredes planas”, com textos de Claudius Portugal, na série Comparsas, da editora P55. Em 2016, vencedora do edital do ACBEU (Associação Cultural Bahia­Estados Unidos) realiza uma nova individual, “Armadilha das Nuvens”, em Salvador e em São Paulo, 21 fotografias em processo digital, todas em formato 1 m x 66 cm, realizados na técnica pigmento mineral sobre Canson Museu Pro Canvas 385 mg mais tensionamento em chassis. Participa, entre outras, desde 2003, das seguintes coletivas: “Olhares Baianos”, galeria Acbeu com Valeria Simões, Mario Cravo Neto, Célia Seriano (2006); “Minas com Bahia” na loja Líder (2011); “Corpo imagem dos terreiros”, Caixa Cultural ­ Galeria Acervo, Brasília/DF (2014); e participa pela quarta vez, em 2014, da Casa Cor Bahia, e em 2015 do Circuito das Artes, com mostra na galeria Cañizares, da Escola de Belas Artes, da Universidade Federal da Bahia. Entre suas mostras temos os ensaios “Olhares de Criança” no site www.ibahia.com, coordenado por Marcelo Reis e o convite profissional para realizar um livro, ainda inédito, “Cocos da Bahia”, quando passa a realizar um trabalho de fotografar todo processo da plantação das mudas de cocos, os coqueirais, até a finalização dos produtos, gente e lugar.

Comentários

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *

*