Home / Arte / Exposição coletiva na Biblioteca-Parque reúne 20 artistas em torno da palavra e da imagem
Sala de Leitura, convite - destaque. Divulgação.

Exposição coletiva na Biblioteca-Parque reúne 20 artistas em torno da palavra e da imagem

Com curadoria de Osvaldo Carvalho, a mostra abre no dia 2 de agosto, com entrada franca.

No dia 2 de agosto, a Biblioteca-Parque Estadual do Rio de Janeiro inaugura a exposição “Sala de Leitura”. Com obras de 20 artistas visuais, a curadoria de Osvaldo Carvalho propõe uma reflexão em torno do ato de ler, seja por meio da palavra ou da imagem: da decodificação à interpretação, do signo ao significado. Os artistas são: Ana Herter, Angela Rolim, Cecilia Cipriano, Claudia Malaguti, Gilda Lima, Grasi Fernasky, Hudson Lima, Isabela Frade, Jo Iocken, João Moura, Júnia Azevedo, Ligia Calheiros, Marciah Rommes, Miro PS, Petrillo, Roberto Tavares, Rosi Baetas, Sandra Macedo e Teresa Stengel. Com coordenação de Lia do Rio, a mostra fica em cartaz até 6 de setembro, com entrada franca.

Publicidade: Banner Luiz Carlos de Andrade Lima

A exposição reúne cerca de 50 obras de técnicas variadas: pintura, desenho, escultura, fotografia, assemblage, colagem, videoarte, gravura, objeto e instalação. Além do espaço expositivo, o evento prevê outras atividades culturais. Na abertura, durante a tarde de sexta-feira, um “flash mob” com artistas e convidados pretende surpreender os passantes pela rua, em frente à biblioteca, na Avenida Presidente Vargas. Outra atração da vernissage é a performance de Isabela Frade. Ao longo da exposição serão oferecidas ao público oficinas de arte, conversas e mostra de vídeos.

Segundo a curadoria, a ideia é trazer para quem visita a exposição a compreensão maior do que está por trás dos trabalhos expostos. “Como diz Paulo Freire, é preciso ter a capacidade de ler nas entrelinhas, senão, quando oprimidos, acabaremos agindo como nossos opressores. O indivíduo que compreende sua realidade é capaz de procurar soluções para transformá-la, rompendo com a sina de repetir os erros do passado”, explica Osvaldo. “A exposição traz a sala de leitura como lugar desse acontecimento, da transformação do sujeito que busca conhecer e modificar o mundo a sua volta”, conclui ele.

ARTISTAS

Ana Herter – Realizou estudos principais na Escola de Artes Visuais do Parque Lage com foco em pintura, materiais e cursos teóricos. Atualmente, desenvolve seu trabalho no próprio ateliê. Participou de exposições individuais e coletivas e possui obras em acervos.

Angela Rolim – Natural do Rio de Janeiro, estudou na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, na Oficina de Gravura do MAM e no Ateliê da Imagem. Foi orientadora do curso de gravura do Parque Lage. Atualmente, dirige o Ateliê de gravura e fotografia pinhole Projeto Impresso (RJ). Participou de diversas mostras no Brasil e no exterior. Possui obras nos seguintes acervos: Museu Nacional Belas Artes (RJ); Taller Galeria Fort (Espanha); Bienal d’Arte d’Alcoi (Espanha); Coleção Mônica e George Kornis, Villa Pignatelli (Itália); Casa de Cultura Laura Alvim (RJ); Pinacoteca do Estado de São Paulo (SP); Escola de Artes Visuais do Parque Lage (RJ); Biblioteca Nacional da Catalunya (Espanha).

Cecilia Cipriano – Fez carreira universitária como professora e pesquisadora do Instituto de Química da UFRJ. A aproximação mais efetiva com a arte aconteceu quando se tornou aluna do curso de Artes Visuais da Escola de Belas Artes da UFRJ, e se estreitou na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, 2014-2015. Exposições em 2018: Galeria BreveMente, Oficinas do Convento de São Francisco, Montemor-O-Novo (Portugal) – Ensaio Fotográfico Apelo ao Sal; Centro Cultural da Justiça Federal – Somos Todos Iguais; Centro Municipal de Arte Helio Oiticica – junho de 2013 – 5 anos depois; e Centro Municipal Parque das Ruínas (RJ), Turbulências. Em 2015: Instituto Itaú Cultural, projeto contemplado pelo Programa Rumos – O Corte.

Claudia Malaguti – Nasceu no Rio de Janeiro, em 1964. Tem formação em joalheira, programação visual e especialização em arte filosofia. Em Florença, onde iniciou seus estudos com fundição de metais, recebeu diploma de joalheria pela SACI (Studio Art Center International). Realizou exposições coletivas e individuais, no Brasil e no exterior. Atualmente, vive no Rio de Janeiro. Em seu ateliê, pesquisa ceras e metais, na busca de seus próprios símbolos e signos. Seu trabalho artístico assume uma característica imprevisível no lidar com a transformação dos objetos.

Gilda Lima – Tem formação em Psicologia. Poeta, trabalha também com foto e vídeo.

Grasi Fernasky – Vive e trabalha no Rio de Janeiro. Graduou-se em Pedagogia e Artes Plásticas. É pós-graduada em Ensino da Arte e Arte-terapia em Educação. Além de artista plástica, atua como professora de Artes Visuais. Na busca do meio mais potente para expressar suas discussões conceituais, produz obras em linguagens como pintura, gravura, colagem, fotografia, vídeo, instalação e intervenção urbana. A repetição da forma está presente nas apropriações de materiais como linhas, fios e fitas, que geram novas tramas, volumes, planos, códigos etc.

Hudson Lima – Natural de Volta Redonda (RJ), foi assistente de vários artistas, como Jorge Guinle, João Grijó, Charles Watson e Tony Moore. Ao longo de 18 anos, trabalhou como aderecista em diversas escolas de samba. No campo social, foi dinamizador em arte em comunidades como Mangueira, Formiga, Macaco etc. Hoje se dedica a seu trabalho autoral e também trabalha com ajustes e reparos de adereços em escolas de samba, durante o Carnaval.

Isabela Frade – Licenciada em Artes pela PUC-RJ, com mestrado e doutorado em Comunicação pela Escola de Comunicação e Artes da USP e pós-doutorado no Instituto de Belas Artes na UNLP, Argentina. Leciona no Curso de Licenciatura em Artes e na linha de pesquisa Arte, Pensamento e Performatividade do Programa de Pós-Graduação da UERJ. Coordena o projeto de extensão Cerâmica Viva, em diálogos intercomunidades UERJ e Mangueira, integrando o coletivo feminino de arte O Círculo. Desenvolve trabalhos escultóricos em abordagens performativas.

Jo Iocken – Participou de mostras coletivas e individuais, como a exposição Artigo Rio, na Feira de Arte Contemporânea (RJ, 2012). Recentemente, expôs no Espaço Cultural Correios Niterói (RJ, 2019). A artista empreende pesquisa de materiais incomuns à técnica da pintura, como o uso da estopa. Sua expressividade proporciona a fruição lírica, ora remetendo ao clássico de Michelangelo, ora remetendo ao contemporâneo dos intrincados arabescos.

João Moura – Nasceu na Serra da Estrela (Portugal) e, nos primeiros meses de vida, transferiu-se para Buenos Aires (Argentina). Adolescente, estudou desenho com modelo vivo. Em 1985, radicou-se no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha. Principais exposições individuais/coletivas: O bom filho à casa torna, no Casa Museu Seia (Portugal); Casa Contemporânea da Imagem, Porto; Ensemble Gráfico, Santa Teresa de Portas Abertas; Desequilíbrio Urbano, Canto da Carambola; Secretaria de Cultura da Prefeitura de Santos; Fora da Ordem, Centro Cultural Parque das Ruínas; Exposição comemorativa dos 30 anos do Museu da Xilogravura; Narrativas Gráficas Laurinda Santos Lobo; Bienal de Gravura Córdoba (Argentina). Residências artísticas: Atelier Contrapova, Lisboa (Portugal); Coop. Árvore, Porto (Portugal).

Júnia Azevedo – Carioca, formou-se em Comunicação Social (PUC-RJ). Seu trabalho artístico parte da vivência profissional em publicidade e marketing, tendo iniciado pela escrita. Em 2014, lançou o romance “O ser-se“ (Ed. Circuito), em seguida passou a criar objetos e assemblages. Em 2018, realizou individual, no Espaço Cultural Correios Niterói, seguida de coletiva na Galeria de Arte Solar (RJ). Participou de residência artística na Casa Duna (Atafona). Frequenta o curso de João Carlos Goldberg, no Parque Lage (RJ); e faz acompanhamento de projeto com Lia do Rio.

Ligia Calheiros – Formada em Licenciatura em Artes Visuais, frequentou diversos cursos na EAV Parque Lage (RJ) e o curso Acompanhamento Trabalhos de arte, sob orientação de Lia do Rio. Participou das coletivas “O Feminino” (1997), no Museu da República (RJ); Novíssimos (1999), Galeria IBEU, Copacabana (RJ); “Olhares” (2013), Galeria Ismael Neri (RJ); “Dimensões” (2014), Direções (2015), no CACG-RJ; participação na Galeria do Poste; na 25ª edição do Artes de Portas Abertas (2015); “Projeto+Novos 2017”, no CACG (RJ); “Lugar de Luz” (2017), no Centro Cultural Light (RJ); EIXO 2018; Mostra de Arte Virtual 3ªedição, Fábrica Bhering (RJ); Coletiva Casa de Afeto (2018), na Galeria de Arte Solar (RJ).

Luiz Badia – Pintor e músico, sempre compactuou com essas duas linguagens. Começou desenhando histórias em quadrinhos na infância e logo migrou para a pintura. Estudou no MAM e no Parque Lage, ingressando depois na Escola de Belas Artes de Lisboa, onde morou por cinco anos. Realizou várias individuais e coletivas, em diferentes países. Em 2014, começou a produzir videoarte, unificando pintura e música através do projeto Imagem Sonora. Principais exposições individuais: em 1989, Galeria Restauração (Lisboa, Portugal); em 2000, Casa de Cultura Laura Alvim (RJ); Casa do Brasil Scottdale (Arizona, EUA); em 2010, Centro Cultural dos Correios, Rio de Janeiro (RJ); em 2015, Au Pavé d`Orsay (Paris, França); em 2018, Sonar, Galeria Maria de Lourdes Mendes de Almeida (RJ).

Marciah Rommes – Nascida no Rio de Janeiro, é graduada em Psicologia pela UERJ, tendo iniciado sua trajetória como artista visual a partir de estudos em pintura e fotografia. Frequentou cursos livres na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Em 2018, participou da Residência Artística em Cianotipia, no LabClube. Participa de grupos de pesquisa e desenvolvimento de projetos em artes visuais no Atelier Projeto Impresso, no Studio da Galeria OKO Arte Contemporânea e integra o grupo de discussão “Falando de Arte Contemporânea”. Desde fevereiro de 2019, cursa pós-graduação em História da Arte e da Cultura Visual, na Universidade Candido Mendes.

Miro PS – Com outros artistas, em 2009, criou o Espaço Livre Pangeia, em Pedra de Guaratiba (RJ), onde divide o ambiente de criação. Desde 2010, desenvolve trabalhos de arte. Sua produção fala da “necessidade e dependência da tecnologia”, assim como da adaptação, sobrevivência e de seus prazeres. Participou de exposições nacionais e internacionais, coletivas e individuais em galerias e espaços culturais. Possui MBA em Administração, Projetos e Artes, e participou de diversos workshops e palestras.

Petrillo – Nasceu em 1975, na cidade de Valença (RJ). É graduado em Artes pela UFJF e reside atualmente em Juiz de Fora (MG). Desde 2002 já participou de 26 exposições individuais, em espaços como o Museu Nacional de Belas Artes (RJ), Centro Cultural da Justiça Federal (RJ), Museu Nacional dos Correios (Brasília) etc. Entre as mais de 30 mostras coletivas, expôs no MAM (RJ), no Consórcio de Arte Buenos Aires (Argentina), entre outros. A arquitetura e a espacialidade são aspectos muito importantes a serem observados em seu trabalho, no qual a geometria e as linhas ditam o ritmo da narrativa de sua pesquisa plástico/poética.

Roberto Tavares – Um dos fundadores do Coletivo Imaginário Periférico, participou de diversas exposições individuais e coletivas, com destaque para: Cubo Além Mar-Dez ao Cubo (Lisboa, Portugal); 2ª Bienal SuLamericana de Arte Impresso Contemporâneo (Rio/Córdoba); Abstratos e Geométricos, MARCO (Museu de Arte Contemporânea de Mato Grosso do Sul); “Somos da Geração 80 – Alguns anos depois”, e “ Doação”, na Galeria Zagut (RJ); Reverberação Abstrata, Espaço do Artista (RJ). Integra o espaço OLUGAR arte contemporânea, na Fábrica Bhering.

Rosi Baetas – Possui doutorado em Engenharia Química, mestrado em Engenharia de Produção e é formada em Engenheira Química, pela UFRJ. Coordenou cursos sobre inovação em nível de mestrado. Desenvolve estudos e trabalhos de arte no ateliê da Galeria ÖKO e na Oficina 3D, do Parque Lage. Fez cursos livres de história da arte na Universidade Cândido Mendes e na ÖKO. Participou de oficinas de arte contemporânea na Casa Daros. Exposições (2016-19): “Arte entre Camadas”, no Espaço Cultural Correios Niterói; coletiva “Somos”, na Galeria ÖKO, RJ.

Sandra Macedo – Como artista visual, trabalha desde 2004 com diversas técnicas: desenho com linhas de seda, aquarelas, objetos, instalações. Questões relacionadas à condição da mulher são centrais em sua pesquisa e produções mais recentes.

Teresa Stengel – Nasceu em Buenos Aires (Argentina), em 1969. Estudou na Escuela Nacional de Bellas Artes Prilidiano Pueyrredon e na Universidade Nacional de Rosario (Santa Fe, Argentina). Fez seu aperfeiçoamento na Argentina, com os mestres em gravura Alfredo de Vincenzo, Liliana Gaston e Nestor Goyanes. No Brasil, teve como professora Malu Fattoreli, no Parque Lage (RJ). Participa do Projeto Impresso, com Angela Rolim, desde 2008.

CURADORIA

Osvaldo Carvalho – Vive e trabalha no Rio de Janeiro (RJ). Formado em Direito pela UFRJ e Mestre em Poéticas Visuais pela ECA-USP, iniciou suas atividades artísticas em 2000 com o Prêmio Interferências Urbanas. Desenvolveu seus estudos sobre curadoria na Escola Sem Sítio, no Rio de Janeiro. Desde 2010 realiza curadorias para o Projeto Vitrine Efêmera, do Estúdio Dezenove, em Santa Teresa (RJ). De 2011 a 2019, foi curador na Galeria de Arte Solar, na instituição filantrópica Solar Meninos de Luz, que atende as comunidades do Pavão-Pavãozinho e Cantagalo (RJ). Possui diversos textos e resenhas publicados, entre eles para a revista Arte&Ensaios, do PPGAV-EBA-UFRJ, edição nº 27 (2014), e a Revista Digital da UFRJ, Redescrições, Pragmatismo e Filosofia Americana.

BIBLIOTECA-PARQUE ESTADUAL

A BPE é um equipamento da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa. O espaço reúne, além do acervo de 200 mil títulos, uma vasta coleção de quadrinhos e livros de arte, biblioteca infantil e 20 mil filmes. Teatro, auditório, estúdio musical, café, cabines de vídeo e laboratórios, além da programação com cursos e oficinas, fazem do lugar mais que uma biblioteca: uma experiência única.

SERVIÇO
Exposição de arte
Título: Sala de Leitura
Artistas: Ana Herter, Angela Rolim, Cecilia Cipriano, Claudia Malaguti, Gilda Lima, Grasi Fernasky, Hudson Lima, Isabela Frade, Jo Iocken, João Moura, Júnia Azevedo, Ligia Calheiros, Marciah Rommes, Miro PS, Nadia Aguilera, Petrillo, Roberto Tavares, Rosi Baetas, Sandra Macedo e Teresa Stenge
Curadoria: Osvaldo Carvalho
Coordenação: Lia do Rio
Abertura: 2 de agosto de 2019 (sexta-feira), das 16h às 19h
Visitação: até 6 de setembro. De segunda a sábado, das 11 às 17h
Local: Biblioteca Parque-Estadual
Endereço: Av. Presidente Vargas 1.261, Centro, Rio de Janeiro
Telefone: +55 21 3171 7505
Entrada franca
Classificação etária: livre
m.me/bibliotecaparqueestadual

Comentários

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *

*