Home / Arte / Exposição de Franco Belli na Brazil Gallery – Galeria de Arte, por Rosângela Vig
Fig. 1 – Espaço físico da Brazil Gallery em São Paulo.
Fig. 1 – Espaço físico da Brazil Gallery em São Paulo.

Exposição de Franco Belli na Brazil Gallery – Galeria de Arte, por Rosângela Vig

Rosângela Vig é Artista Plástica e Professora de História da Arte.

Rosângela Vig é Artista Plástica e Professora de História da Arte.

Todos esses que aí estão
Atravancando meu caminho,
Eles passarão…
Eu passarinho!
(QUINTANA, 2005, p.257)

Mário Quintana sutilizou por meio das palavras. Sua própria poesia é um colibri voando livremente por um pedaço de papel. Suas poucas palavras são como uma sinfonia. Por meio delas é possível discernir a graça e a leveza do espírito desse grande poeta brasileiro. Seus versos são assim, repletos de delicadeza, com a agilidade de um colibri que passa aqui e ali rapidamente. Sutilizando pelo ar, seguem os colibris, trocando nuances variadas contra a claridade do sol, tocando de flor em flor, em rápidos movimentos, como se quisessem sorver da vida tudo a um tempo só, em incansável êxtase.

Em sutileza, em cores, eles foram aos poucos pousando nuances pelas telas de Franco Belli e preencheram o vazio espaço, tornando as obras do artista uma leve coleção, colorida, delicada, repleta de flores, esvoaçando pelo espaço online da Brazil Gallery e as paredes do espaço no West Plaza Shopping em São Paulo, no Bairro da Água Branca em São Paulo.





Distraídos, eles nem percebem que foram retratados pelas mãos do artista que, com sutileza, percebeu-lhes a graça de seu vôo. Há momentos em que suas asinhas mal podem ser vistas (Fig 3), tal é a pressa atrás de uma semente que cai, de uma flor que se abre. Os tons de azul do céu deixam à mostra a claridade que contrasta com as pequenas jóias que brilham no ar, pairando e sorvendo o néctar. Rapidamente eles pulam para outra cena (Fig. 4) e o céu se reconfigura; torna-se alaranjado, amarelado, avermelhado. A tarde sinaliza suas cores e permite os últimos passeios do dia. O descanso, se é que haverá, será para sonhar com o vôo de amanhã e com as flores que ainda não visitou. No jardim do artista, as flores adormecem se preparando para o próximo dia e as visitas esperadas. A tela aguarda no cavalete os sonhos do artista se tornarem coloridos e se materializarem sobre a brancura do tecido. O sonho que sutilizou se concretizará em poesia em novo amanhecer.

Sob a curadoria de Carlos Ernesto, a exposição das obras de Franco Belli estão na Brazil Gallery e podem ser visitadas ou compradas no site da galeria ou pelos telefones (11) 3975-4443 / (11) 97436-8581, ou pelo link: bg1.com.br/loja/categoria-produto/artistas/franco-belli/.

Ao espectador maravilhado caberá apreciar o jardim de cores, as asinhas apressadas quase invisíveis e a sutileza que o espírito parece mesclar a tanta pureza. As inúmeras tonalidades mesclam-se à natureza feito flores esvoaçantes efêmeras.

Referências:

(QUINTANA, Mário. Caderno H, Poesia Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2005, p.257).

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*