Home / Arte / Exposição de Franco Belli na Brazil Gallery – Galeria de Arte, por Rosângela Vig
Fig. 1 – Espaço físico da Brazil Gallery em São Paulo.
Fig. 1 – Espaço físico da Brazil Gallery em São Paulo.

Exposição de Franco Belli na Brazil Gallery – Galeria de Arte, por Rosângela Vig

Rosângela Vig é Artista Plástica e Professora de História da Arte.

Rosângela Vig é Artista Plástica e Professora de História da Arte.

Todos esses que aí estão
Atravancando meu caminho,
Eles passarão…
Eu passarinho!
(QUINTANA, 2005, p.257)

Mário Quintana sutilizou por meio das palavras. Sua própria poesia é um colibri voando livremente por um pedaço de papel. Suas poucas palavras são como uma sinfonia. Por meio delas é possível discernir a graça e a leveza do espírito desse grande poeta brasileiro. Seus versos são assim, repletos de delicadeza, com a agilidade de um colibri que passa aqui e ali rapidamente. Sutilizando pelo ar, seguem os colibris, trocando nuances variadas contra a claridade do sol, tocando de flor em flor, em rápidos movimentos, como se quisessem sorver da vida tudo a um tempo só, em incansável êxtase.

Em sutileza, em cores, eles foram aos poucos pousando nuances pelas telas de Franco Belli e preencheram o vazio espaço, tornando as obras do artista uma leve coleção, colorida, delicada, repleta de flores, esvoaçando pelo espaço online da Brazil Gallery e as paredes do espaço no West Plaza Shopping em São Paulo, no Bairro da Água Branca em São Paulo.

Publicidade: Banner Luiz Carlos de Andrade Lima

Distraídos, eles nem percebem que foram retratados pelas mãos do artista que, com sutileza, percebeu-lhes a graça de seu vôo. Há momentos em que suas asinhas mal podem ser vistas (Fig 3), tal é a pressa atrás de uma semente que cai, de uma flor que se abre. Os tons de azul do céu deixam à mostra a claridade que contrasta com as pequenas jóias que brilham no ar, pairando e sorvendo o néctar. Rapidamente eles pulam para outra cena (Fig. 4) e o céu se reconfigura; torna-se alaranjado, amarelado, avermelhado. A tarde sinaliza suas cores e permite os últimos passeios do dia. O descanso, se é que haverá, será para sonhar com o vôo de amanhã e com as flores que ainda não visitou. No jardim do artista, as flores adormecem se preparando para o próximo dia e as visitas esperadas. A tela aguarda no cavalete os sonhos do artista se tornarem coloridos e se materializarem sobre a brancura do tecido. O sonho que sutilizou se concretizará em poesia em novo amanhecer.

Sob a curadoria de Carlos Ernesto, a exposição das obras de Franco Belli estão na Brazil Gallery e podem ser visitadas ou compradas no site da galeria ou pelos telefones (11) 3975-4443 / (11) 97436-8581, ou pelo link: bg1.com.br/loja/categoria-produto/artistas/franco-belli/.

Ao espectador maravilhado caberá apreciar o jardim de cores, as asinhas apressadas quase invisíveis e a sutileza que o espírito parece mesclar a tanta pureza. As inúmeras tonalidades mesclam-se à natureza feito flores esvoaçantes efêmeras.

Referências:

(QUINTANA, Mário. Caderno H, Poesia Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2005, p.257).

 

.

Todos esses que aí estão Atravancando meu caminho, Eles passarão... Eu passarinho! (QUINTANA, 2005, p.257) ário Quintana sutilizou por meio das palavras. Sua própria poesia é um colibri voando livremente por um pedaço de papel. Suas poucas palavras são como uma sinfonia. Por meio delas é possível discernir a graça e a leveza do espírito desse grande poeta brasileiro. Seus versos são assim, repletos de delicadeza, com a agilidade de um colibri que passa aqui e ali rapidamente. Sutilizando pelo ar, seguem os colibris, trocando…

Revisão Geral

Excelente!!

Sumário : Avalie o artigo! Agradecemos sua participação!!

Avaliação do Usuário: 4.79 ( 3 votos)

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *

*