Home / Arte / Exposição – Toulouse-Lautrec em Vermelho por Rosângela Vig

Exposição – Toulouse-Lautrec em Vermelho por Rosângela Vig

Você também pode ouvir esse artigo na voz da própria Artista Plástica Rosângela Vig:

Rosangela_Vig_Perfil_2

Rosângela Vig é Artista Plástica e Professora de História da Arte.

Nos fanados divãs das cortesãs mais velhas,
Pintada a sobrancelha, o olhar langue e fatal,
Num esgar, a fazer das pálidas orelhas
Tombar um retinir de pedra e de metal;

Sobre um verde tapiz, muitos rostos sem boca,
Como bocas sem cor, maxilares sem dente,
Dedos em convulsão pela febre mais louca,
Sondando o bolso roto ou o seio fremente;

Sob os estuques vis, fila de frouxos lustres,
De candeeiros de mal projetados fulgores
Sobre as frontes letais dos poetas ilustres
Quem vem desperdiçar os seus sangrentos suores;

Eis o negro painel que num sonho noturno
Vi desdobrar-se a meu olhar claro e curioso.
Eu mesmo, num desvão do covil taciturno,
Encostei-me a tremer, o mais mudo e invejoso.
(BAUDELAIRE, 2006, p.110)

A vida boêmia parisiense do final do século XIX nunca foi tão bem retratada: na Poesia, pelas palavras de Charles Baudelaire (1821-1867), em seus Quadros Parisienses; na Pintura, pelas formas e pelas cores de Henri de Toulouse-Lautrec (1864-1901). De ambos, os mais poéticos retratos de Paris e de suas pessoas. E Lautrec foi além da vida noturna, na cidade francesa; passeou pela forma peculiar com que conseguiu expressar seu traço; divagou pelas cores, pelo movimento e pelos lugares que ele mesmo frequentou.

De família rica e aristocrática, o artista teve vida boêmia e chegou a frequentar o Moulin Rouge, os cafés e os bordéis da cidade. Vítima de uma rara doença, a estatura de Lautrec era baixa; suas pernas eram curtas, mas o corpo era de um adulto. De sensibilidade aguçada, até mesmo em virtude de sua aparência, o artista conseguia perceber a fragilidade das pessoas que retratava. Seus personagens eram as prostitutas, os bêbados, as dançarinas e as cantoras dos cabarés. Lautrec desenhou cartazes para o Moulin Rouge e para outras casas noturnas que frequentou, além de expor e de vender seus trabalhos nesses locais. Sua morte foi precoce, antes mesmo de completar 37 anos, em virtude do alcoolismo e da vida desregrada. Do artista, ficou o legado de mais de 360 cartazes e gravuras, mais de 1000 quadros e de 5000 desenhos. Seu estilo antecipou a Art Nouveau, além de seus cartazes terem servido de referência para o Design Gráfico e para a Publicidade.

Receba Notícias de Exposições e Eventos em geral em nosso grupo de Whatsapp!
*Só nós postamos no grupo, então não há spam! Pode vir tranquilo.

Poderão ser vistos no MASP, em São Paulo, 75 obras de Lautrec, além de 50 documentos da época, fotografias do artista e de seus amigos, de 30 de junho a 1 de outubro de 2017, numa mostra produzida pelo MASP; patrocinada pelo escritório Pinheiro Neto Advogados, com a expografia do escritório METRO Arquitetos Associados. Muitas dessas obras são de coleções particulares nacionais e internacionais como Musée d’Orsay (Paris), Tate e Victoria Albert Museum (Londres), The Art Institute of Chicago, National Gallery of Art de Washington e Museo Thyssen-Bornemizsa (Madrid).

A telas e os cartazes de Lautrec fazem uma viagem no tempo e visitam os locais por onde o artista passou, fragmentos de cenas. Há registros das danças, com seus movimentos exacerbados, das pessoas bebendo, dos vícios e da sexualidade. Considerado pós Impressionista, sua forma de pintar apresenta linhas sinuosas contornos, muitas vezes em preto, com cobertura leve da cor. Os contornos sinuosos e ondulados sugerem um leve estremecimento da imagem, proporcionando a ideia de movimento.

Suas imagens são registros fotográficos de momentos, de fragmentos das cenas noturnas. Na obra A Roda (Fig. 2), o artista optou por não usar muitas cores e exagerar no movimento que fica por conta dos cabelos da dançarina, jogados para trás, num exato momento em que roda o vestido para o alto. Em Descanso durante o Baile de Máscaras (Fig. 4), a moça que chega ao balcão está de máscaras e seu corpo parece chamar a atenção de um rapaz, ao lado, também mascarado. Lautrec parece ter captado a expressão de abatimento das Mulheres na Sala de Jantar (Fig. 5) em um momento de conversa. Na mesa quase vazia, apenas o copo apresenta o líquido vermelho que pode ser vinho, acentuando a ideia do alcoolismo. O som embala a dança na figura 11. Os riscos e a falta de nitidez dos corpos parecem acentuar o movimento e o salão todo tem a aparência de um só corpo se locomovendo ao ritmo da música. As pessoas no balcão parecem estar distraídas, distantes com os olhares perdidos, em melancólica expressão, aguardando o tempo passar.

Ao espectador fica o convite para apreciar as obras de Lautrec e, feito um flâneur 1 perambular pelas formas e pelas cores que o artista utilizou para expressar seu tempo, as pessoas com quem viveu e os lugares por onde passou. Talvez seja esse o maior atributo da Grande Arte, conduzir a mente a outros tempos, por meio da imaginação, da forma e da cor.

Quero, para compor meus castos monólogos,
Deitar-me junto ao céu, à moda dos astrólogos
E bem perto do sino ouvir-lhe cismarento
As solenes canções, levadas pelo vento.
As mãos postas no queixo, eu do alto da mansarda,
Hei de ver a oficina a cantar na hora parda:
Torres e chaminés ou mastro da cidade,
Grandes céus a fazer sonhar a eternidade.
(BAUDELAIRE, 2006, p.110)

1 Flâneur significa errante, observador de rua ou caminhante. Para Charles Baudelaire, o termo se refere ao artista e poeta, que observa a vida da metrópole moderna. (BAUDELAIRE, 1997, p.14)




Referências:

  1. BAUDELAIRE, Charles. As Flores do Mal. São Paulo: Ed. Martin Claret, 2006.
  2. BAUDELAIRE, Charles. Sobre a Modernidade. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1997.
  3. CHILVERS, Ian; ZACZEK, Iain; WELTON, Jude; BUGLER, Caroline; MACK, Lorrie. História Ilustrada da Arte. Publifolha, S.Paulo, 2014.

As figuras:

Fig. 1 – A Condessa Adele de Toulouse-Lautrec no Jardim de Malromé, Toulouse Lautrec, 1880. Foto: Acervo MASP.

Fig. 2 – A Roda, Toulouse-Lautrec, 1893. Foto: Acervo MASP.

Fig. 3 – Artista com Luvas Verdes, A Cantora Dolly do Star Le Havre, Toulouse-Lautrec, 1899. Foto: Acervo MASP.

Fig. 4 – Descanso durante o Baile de Máscaras, Toulouse-Lautrec, 1899. Foto: Divulgação.

Fig. 5 – As Mulheres na Sala de Jantar, Toulouse-Lautrec, sem data. Foto: Divulgação.

Fig. 6 – Gaston Bonnefoy, Toulouse-Lautrec, sem data. Foto: Divulgação.

Fig. 7 – A Grande Maria, Toulouse-Lautrec, 1886. Foto: Divulgação.

Fig. 8 – Mulher com Cachorro, Toulouse-Lautrec, 1891. Foto: Divulgação.

Fig. 9 – O Senhor Fourcade, Toulouse-Lautrec, sem data. Foto: Divulgação.

Fig. 10 – O Senhor Louis Pascal visto de Costas, Toulouse-Lautrec, sem data. Foto: Divulgação.

Fig. 11 – Moulin de la Galette, Toulouse Lautrec, 1889. Foto: Divulgação.

Fig. 12 – O Divã, Toulouse Lautrec, 1893. Foto: Acervo MASP.

Fig. 13 – O Almirante Paul Viaud, Toulouse-Lautrec, sem data. Foto: Divulgação.

Fig. 14 – Frontispício para Elles, Toulouse-Lautrec, 1895. Foto: Divulgação.

Fig. 15 – Moulin Rouge (La Goulue), Toulouse-Lautrec, 1891. Foto: Divulgação.

0 Comentários
  1. Pingback: Exposição Toulouse-Lautrec em Vermelho, por Rosângela Vig – JF Clipping

  2. Pingback: Exposição Toulouse-Lautrec em Vermelho, por Rosângela VigPoliarquia > | Poliarquia

  3. Pingback: Primeiros Traços da Arte Moderna – Pós-Impressionismo por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

  4. Pingback: Retrospectiva 2017 Rosângela Vig | Site Obras de Arte

  5. Pingback: Primeiros Traços da Arte Moderna – Pós-Impressionismo por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*