Home / Arte / Lambes do artivista Mundano são espalhados por 25 pontos de São Paulo

Lambes do artivista Mundano são espalhados por 25 pontos de São Paulo

Na celebração dos 469 anos da cidade de São Paulo, artistas, coletivos e influenciadores se uniram para chamar a atenção para a situação dos povos indígenas no Brasil. Visibilidade que se torna ainda mais urgente com a tragédia humanitária vivida pelos Yanomamis, na Amazônia.




Uma série de ações foi pensada para trazer luz à violência contra os povos originários, apagada da história oficial de São Paulo e do Brasil. A versão tradicional da fundação da metrópole sugere uma convivência pacífica com os indígenas. Pesquisas mostram, contudo, que a relação foi bastante conflituosa e com derramamento de sangue.

Na iniciativa, a capital paulista ganhou 25 lambes espalhados por vários pontos da cidade, como Sacomã, Barra Funda e Cidade Tiradentes. Os cartazes foram colados por artistas e coletivos de arte, como Micha, Carina Melo, Carolina Itzá, Iskor, André Firmiano e Hulk. Uma das obras foi colocada justamente num prédio na Rua da Consolação, centro de São Paulo, onde o padre José de Anchieta é retratado catequizando crianças indígenas. Um contraponto das narrativas sobre a fundação da cidade.




Os lambes reproduzem a imagem criada pelo artivista Mundano do indígena Ari Uru-Eu-Wau-Wau, morto em abril de 2020, em Rondônia. A empena, de 618m2, foi pintada na lateral de um prédio na rua Quintino Bocaiúva, a poucos metros da Catedral da Sé, centro de São Paulo. Ponto, que hoje abriga o Marco Zero da cidade. O local foi escolhido por ser originalmente território indígena, ocupado em um processo de expulsão e massacre dos povos originários. A pintura de Ari Uru-Eu-Wau-Wau é uma releitura do quadro Bananal, de Lasar Segall. O grande mural do guerreiro Ari foi feito com terra retirada no Marco Zero e misturada a cinzas de queimadas da Amazônia. 

A emblemática luta do povo Uru-Eu-Wau-Wau é o tema do filme “O Território”, que levou dois prêmios no Festival Sundance, e tem a assinatura de produção-executiva da ativista e indígena Txai Suruí, que com apenas 24 anos é uma das vozes da atual geração que reforça a luta indígena e se tornou a única brasileira a discursar no palco da COP-26.



“O apagamento dos indígenas de nossa história é parte do processo de genocídio iniciado há mais de 500 anos e que persiste até hoje, como nos lembra a imagem de Ari Uru-Eu-Wau-Wau. Interromper esse genocídio é urgente. Trata-se de uma questão de justiça humanitária e climática. São as florestas e seus guardiões que garantem a estabilidade do clima no Brasil, o que inclui a própria sobrevivência da cidade de São Paulo”, alerta o artivista Mundano.

Os cartazes possuem ainda um QRcode, que direciona o usuário à campanha Amazônia de Pé. Um abaixo assinado que visa criar uma lei de iniciativa popular destinando os 57 milhões de hectares de florestas públicas na Amazônia para proteção dos povos indígenas, quilombolas, pequenos produtores extrativistas e Unidades de Conservação, além de prever uma maior criminalização para o roubo de terras, a grilagem. A lei tornou-se ainda mais urgente com a degradação da floresta e a invasão das reservas Yanomamis, que levou à calamidade que presenciamos hoje.

Em uma ação paralela, influenciadores e personalidades como Cazé, a diretora e roteiristas Estela Renner e o cantor Felipe Flip participaram de uma visita guiada no centro de São Paulo, que passou pelo Pateo do Colégio até a Catedral da Sé e terminou no painel, e compartilharam nas redes sociais vídeos que destacam os territórios e luta dos indígenas como parte da história de São Paulo. Uma iniciativa para inserir a obra e a narrativa dos povos originários no roteiro turístico da capital paulista. 

Receba Notícias de Exposições e Eventos em geral em nosso grupo no Whatsapp!
*Só nós postamos no grupo, então não há spam! Pode vir tranquilo.

“A História está repleta de cidades que foram varridas do mapa por fatores ambientais e São Paulo poderá ser uma delas. O destino de São Paulo está unido ao destino dos povos indígenas do Brasil”, finaliza Mundano.

A colagem dos lambes foi feita entre os dias 22 e 25 de janeiro. Confira a seguir a lista de artistas envolvidos:

  • Micha
  • Carina Mello
  • Mari Moon
  • Carolina Itzá
  • AFolego
  • Bárbara Goy
  • Ju Akina
  • Negana
  • Carol Simó
  • Subtu
  • Iskor
  • Hullk
  • Felipe Risada
  • Thiago Monster
  • Filite
  • Rasmoke
  • Pedro Frazão
  • 3visao
  • BANAIS
  • Slim Rimografia
  • Claudinei Monteiro
  • Wera
  • Átila
  • Carol Simó
  • Everaldo Cost

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*