Home / Arte / Projeto busca resgatar sonetos através da justaposição de formas artísticas

Projeto busca resgatar sonetos através da justaposição de formas artísticas

SonetIMAGEM é o segundo livro da série e coloca fotos como significado de mundo

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

Se fôssemos desafiados a ilustrar o consagrado Soneto da Fidelidade, de Vinícius de Moraes, que foto caberia? A palavra escrita e a relação com a imagem que produz, as tantas possibilidades de leituras e interações que revelam as formas de olhar para o mundo. É o que o poeta, cantor e fotógrafo Eduardo Maciel propõe no seu livro SonetIMAGEM, no qual o leitor é convidado a assimilar texto e imagem em sonetos do autor e fotos que se intercalam numa brincadeira de sentidos. O livro é o primeiro do mercado a buscar interconexão entre sonetos e outras linguagens da arte e será lançado no sábado, 14/9, com vernissage do livro, das 14h às 17h, no Edifício Itu (Avenida Treze de maio, 47 – sala 2103).

Publicidade: Banner Luiz Carlos de Andrade Lima

Segundo livro de uma maratona de 7 (com 50 sonetos cada e que podem ser lidos em ordem aleatória, exceto no volume 5), dedica-se ao resgate cultural dos sonetos na literatura brasileira, em suas mais diferentes formas de concepção catalogadas internacionalmente desde o século XIII, a última temporada da série (oops, livro) está prevista para 2022. Neste volume, Eduardo Maciel, acadêmico correspondente da Academia Internacional de Letras, Artes e Ciências, promove o casamento de letras com fotos, ora de autoria do poeta, ora dirigidas por ele. Já em uma das orelhas, uma resenha do mestre em Ciências Sociais, fotógrafo e artista visual Thiago Facina.

Um dos objetivos da obra é redefinir um lugar para esses poemas originalmente italianos e que têm forma fixa em quatro estrofes em sua grande maioria, apresentando métrica e rima, desenvolvimento de ideia e finalmente seu sentido ou significado. A produção de sonetos vem decaindo bruscamente desde o século XIX depois de ter experimentado, nos séculos XIV, XV e XVI, certa popularização. Eduardo acredita que este resgate pode acontecer na interface com outras artes pela peculiaridade que os sonetos têm, na forma e no conteúdo.

Fazer tantas associações quanto possíveis entre o que o autor escreve e as cenas do cotidiano dos leitores é o grande barato de SonetMAGEM. “O eu-lírico é a aliança de compromisso para fazer fecundo esse casamento que pode gerar infinitos filhos”, relativiza Eduardo Maciel ao tornar lúdica a experiência poética.

O leitor vai encontrar sonetos polares, franceses, shakespearianos, heterométricos – versos de diferentes números de sílabas -; monorrítmicos; e petrarquianos – duas estrofes de quatro versos e duas de três versos, dentre outros tipos – junto às selfies, memórias, frames e aos fragmentos imagéticos. E assim a intimidade vai se revelando.

Tendo como referências Augusto dos Anjos, Camões e Cervantes, Eduardo Maciel desenvolve tipos de métrica variados e tem inspirações diversas. A partir do livro 3, ele aparece com um tipo de soneto por ele mesmo criado: o “soneto carioca”, que tem uma estrutura rítmica que faz lembrar um pouco a bossa nova, só que na literatura.

Além da função artística do soneto, Eduardo Maciel reforça a função educativa do gênero. “Como são pequenos e têm rimas, é um excelente instrumento para introduzir a Literatura para as crianças”, exemplifica ele, cujos sonetos do livro SonetATO, primeiro livro desta série, lançado em 2018, já ocupam salas de aula na região metropolitana do Rio de Janeiro.

O PROJETO

Resgate de sonetos no cenário da literatura brasileira em todas as suas dezesseis formas de composição, com o lançamento previsto de sete livros cujas artes de capa se inter-relacionam (ao final formam as cores do arco-íris tendo a função também de peça de decoração) e os títulos são sempre neologismos envolvendo o radical da palavra SONETO, sendo que em cinco deles os textos conversam com outras linguagens da arte. Nesses, o projeto comtempla ações de ativação que coloquem protagonismo na outra arte que acompanha os sonetos. No caso de SonetIMAGEM, será uma exposição de fotografia.

OS LIVROS

– SonetATO – lançado em 2018.

– SonetIMAGEM – sonetos e fotos.

– SonetILUSTRA – sonetos e desenhos/ilustrações e ativação em galeria de arte e grafite na galeria durante a exposição/lançamento.

– SonetONS – sonetos musicados com cifras para violão e QR code no livro para acesso às 50 músicas e show itinerante.

– SonetEATRO – sonetos conversando com artes cênicas. Haverá uma peça itinerante mediante inscrição em editais, na qual a fala dos personagens são os versos dos sonetos. Único que precisa ser lido em sequência, e onde todos os 50 sonetos serão do tipo italiano.

– SonetERROR – sonetos focados no gênero de suspense/thriller ou terror, até hoje apenas explorado em prosa e não em verso. A ideia é torna-lo público em feiras do gênero, como ativação.

– SonetESTILO – sonetos articulados com a temática da moda, entendida como arte, para encerramento do projeto.

O AUTOR

Eduardo Maciel é poeta sonetista, autor de contos, crônicas e colunista do portal Diário da Poesia (coluna Soneto em Pauta) e da Revista Litere-se. Publicou o livro SonetATO e SonetIMAGEM pela Autografia e é co-autor de dois livros publicados em três idiomas e 160 países através de concurso promovido pela Unesco. Acumula no currículo vitórias nos concursos literários Jovem Embaixador e Poesia Agora 2019. Além de poesia, Eduardo escreve em prosa e é adepto aos contos de terror, tendo participado da Antologia “O Lado Sombrio do Sítio”, da Lura Editorial, onde o universo dos personagens de Monteiro Lobato ganham um toque mais soturno. Também foi jurado (na categoria crônicas) de concurso literário do Diário da Poesia 2019.

Artista multidisciplinar, também é fotógrafo com diversos trabalhos realizados, diretor de fotografia (ensaios e abstrações), compositor, cantor e roteirista para teatro. Ocupa a cadeira 170 da Academia Internacional de Letras, Artes e Ciência.

SERVIÇO:
SonetIMAGEM
Editora: Autografia
Autor: Eduardo Maciel
Páginas: 206 // Formato: 14x21cm // Preço: 35,00

Comentários

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *

*