Um livro pode mudar o rumo das Grandes Navegações

“O segredo do rei”, escrito pelo paranaense Douglas Portelinha, mistura ficção e história mundial em trama de aventura

Do Paraná à Bahia, o engenheiro civil Douglas Portelinha morou em diferentes estados brasileiros. Por conta da profissão, também viveu em outros seis países: República Dominicana, Nicarágua, Honduras, Panamá, Angola e Argentina. A experiência com tantas viagens serviram de inspiração para o enredo de O Segredo do Rei.

Anúncio

A trama internacional é ambientada nas Grandes Navegações. No meio do processo de exploração do Oceano Atlântico e Pacifico, datado entre os séculos XV e XVI, uma peripécia envolve a chefe de uma agência de espiões, um cavaleiro templário e um rei ambicioso. Todos lutam pelo controle de dois livros importantes: “Mundus Novus”, com propagandas do Novo Mundo, e “Summa Oriental”, que contém registros de portos e regiões com especiarias.

Fatos históricos estão presentes durante a narrativa. Há, por exemplo, a introdução sobre o “Robô de Leonardo”, criado por Leonardo da Vinci. Em 1495, o pintor, arquiteto e engenheiro apresentou ao tribunal de Milão uma máquina robótica operada por roldanas e cabos. O objeto era funcional e podia replicar alguns movimentos.

Todos se inclinaram para a frente. Yohanna e Martina deram um passo ao mesmo tempo, encostando ombro a ombro para observar o peito de leão se abrir e aparecer a flor-de-lis dourada com o fundo azul. Um leve barulho de admiração no ar. O rei sorriu e disse: – Ciência! Algumas mentes são capazes de fazer coisas incríveis. Uma mente brilhante fez este autômato. Mas acumular conhecimento leva tempo e dedicação. (O Segredo do Rei, pg. 471) 

A trajetória de Fernão de Magalhães, navegador português conhecido por ter realizado a primeira viagem marítima ao redor do mundo, também aparece no romance. Um ano após entrar no navio, ele morreu em Mactan, nas Filipinas, depois de se envolver em um combate com os moradores da ilha e ser preso em uma emboscada.

Mas uma personagem-chave do enredo é a filha de Américo Vespúcio, explorador responsável por escrever sobre o então “Novo Mundo” para os reinos da Espanha e de Portugal. Na narrativa, a sucessora do navegador comanda uma agência de espiões que tem por objetivo proteger os livros “Mundus Novus” e “Summa Oriental” dos inimigos.

Receba Notícias de Exposições e Eventos em geral em nosso grupo no Whatsapp!
*Só nós postamos no grupo, então não há spam! Pode vir tranquilo.

Medalha de prata na categoria “Ficção em Português” na 24ª edição do International Latino Book Awards com “Draco Cola – a cauda do dragão”, sua obra de estreia, Douglas Portelinha surpreende novamente. Com arcos narrativos e batalhas mortais, O Segredo do Rei oferece entretenimento da melhor qualidade para quem busca uma leitura inteligente e boa dose de aventura depois de um dia de trabalho.

Inscreva-se para receber as Novidades sobre Eventos
e o Universo das Artes primeiro!

FICHA TÉCNICA

Título: O Segredo do Rei
Autor: Douglas Portelinha
Editora: Grupo Editorial Atlântico
ISBN/ASIN: 978-989-37-3992-1
Páginas: 490
Preço: R$ 20 (e-book)
Onde comprar: Amazon 

Sobre o autor: Douglas Portelinha nasceu em Pitanga, no interior do Paraná, e atualmente mora em São Paulo Engenheiro civil, ele já morou em várias cidades do Brasil e em seis países diferentes. Passou por regiões como São Paulo, Rio de Janeiro, Buenos Aires, República Dominicana, Nicarágua, Honduras e Panamá.

Essas viagens pelo mundo foram fonte de inspiração para sua carreira como escritor. Seu primeiro livro foi “Draco Cola – a cauda do dragão”, que ganhou medalha de prata na 24ª edição do International Latino Book Awards, na categoria “Ficção em Português”. “O Segredo do Rei”, lançamento mais recente do autor, mistura história mundial com ficção.

Redes sociais: Instagram | Facebook

Relacionados:

Deixe um comentário

×