Home / Arte / A Embaixada da França em parceria com o Institut Français realizam a primeira edição da Noite das Ideias – Ser Vivo & Floresta
Primeira edição da Noite das Ideias – Ser Vivo & Floresta, flyer. Divulgação.

A Embaixada da França em parceria com o Institut Français realizam a primeira edição da Noite das Ideias – Ser Vivo & Floresta

A Embaixada da França em parceria com o Institut Français realizam a primeira edição da Noite das Ideias – Ser Vivo & Floresta, quinta-feira, dia 30 de Janeiro, das 16h às 22h30, no Parque Lage, Rio de Janeiro

A Aliança Francesa Rio de Janeiro apoia a iniciativa, que este ano acontece em 70 países e propõe uma reflexão criativa sobre a floresta, seus desafios, suas concepções e variedades – da floresta tropical à mata atlântica, do cerrado à caatinga.

Publicidade: Banner Luiz Carlos de Andrade Lima

A programação conta com atividades artísticas e criativas, além de projeções e performances.

A entrada é gratuita!

#noitedasideias #lanuitdesidées

A Embaixada da França, em parceria com o Institut Français, tem o prazer de anunciar o lançamento da Noite das Ideias no Brasil: Quinta-feira, 30 de janeiro 2020, em Brasília, São Paulo e no Rio de Janeiro. Em sua quinta edição, a Noite das Ideias se realiza este ano em 70 países, com o tema: “Ser vivo e floresta”. No Rio de Janeiro, a Aliança Francesa Rio de Janeiro apoia a iniciativa que acontece no Parque Lage (Rua Jardim Botânico 414), das 16h00 às 22h30 com entrada franca.

Esta primeira edição da Noite das Ideias no Brasil propõe uma reflexão criativa sobre a floresta, seus desafios, suas concepções e variedades – da floresta tropical à mata atlântica, do cerrado à caatinga. O tema será abordado e discutido em seus diversos aspectos: filosófico, científico, antropológico, ecológico, técnico e social.

A programação tem também atividades artísticas e criativas com projeções e performances.

Duas linhas de pensamento serão exploradas:

“A floresta como ser vivo”: à luz de recentes pesquisas técnicas e científicas, aliadas à visão de uma nova filosofia de vida, abordando práticas espirituais alternativas relacionadas à floresta, a mata passa a ser um ser vivo por si só, um macro organismo operando em simbiose com o todo.

“A floresta como local de seres vivos”: discutir a floresta hoje em dia também implica pensar nela como um lugar de seres vivos que não apenas a habitam, mas que a administram e modificam. Um espaço de resiliência histórica, de habitação e de biodiversidade. Os tempos atuais precisam com urgência do “ser vivo” da floresta – com o verbo “ser” no infinitivo significando um chamado, um grito vindo de quem deve ser compreendido e protegido.

Abertura oficial

Programação principal:

17h45 – no Platô do Parque Lage

18h20 no Platô

Mesa 1: SENTIR a floresta

  • Dénètem Touam Bona, antropólogo, atualmente professor de filosofia em Mayotte. Publicou “Fugitivo, aonde você vai?”, um ensaio sobre os quilombos, sobre as diferentes formas que a fuga dos escravos tomou, da fuga espiritual de um evangelho à reinvenção de uma sociedade à margem das plantações.
  • Mãe Celina de Xangô, diretora do Centro Cultural Pequena África, no Rio, grande conhecedora de plantas e conhecimentos ancestrais ligados à floresta da Tijuca.

19h20 no Platô

Exibição do documentário Curupira, bicho do mato, de Félix Blume, ouvindo os sons naturais e fabulosos da floresta nas comunidades indígenas brasileiras; e do vídeo de uma entrevista entre o filósofo franco-italiano Emanuele Coccia e o artista brasileiro Luiz Zerbini.

19h45 no Platô

Mesa 2: TRADUZIR a floresta

  • Ailton Krenak, famoso escritor nativo trabalhando para a proteção do meio ambiente, autor de um ensaio de sucesso este ano, Ideias para adiar o fim do mundo (Companhia das Letras).
  • Anna Dantes, editora (Dantes Editora), publica livros sobre plantas e poesia, organizadora do “Selvagem – ciclo de estudos sobre a vida”. Desde 2011 trabalha também em parceria com o povo Huni Kuin na floresta amazônica acreana.
  • Luiz Zerbini, grande pintor brasileiro, da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, presente na exposição Nous les Arbres (Fundação Cartier, Paris).

21h no Platô

Mini-concerto da cantora Marlui Miranda.

21h45 no Platô

Mesa 3: OUVIR a floresta

  • Marc Jeanson, botânico, ex-diretor do Herbário Nacional no Museu de História Natural de Paris, atualmente trabalhando na Fundação Jardin Majorelle no Marrocos, co-autor do livro Botanist (Grasset, 2019).
  • Bernardo Esteves, jornalista científico, autor de importantes artigos sobre a Amazônia, para a revista de referência no Brasil em termos de debate de ideias, Piauí.

Programação paralela:

16h – 17h30 no Bosque do Parque Lage

  • Contação de histórias para crianças: “Contos da Amazônia” com José Mauro Brant e Oficina de confecção de mandalas (crianças) com o grupo Flecha Design.

18h – 21h na Oca do Parque Lage

Momentos artísticos e criativos

  • Exibição do longa-metragem: Era uma floresta de Luc Jacquet, documentário, 2013, 78 min; e do curta-metragem Curupira, besta dos bosques de Félix Blume, 2018, 35 min, sobre os sons e lendas da Floresta Amazônica.

22h30 – Encerramento do evento.

Sobre a Aliança Francesa

Prestes a completar 135 anos de atividades no Brasil no mês de maio de 2020, a Aliança Francesa é uma referência no idioma e, sem dúvida, a instituição mais conhecida do mundo, quando o assunto é a difusão da língua francesa e das culturas francófonas. Possui, atualmente, mais de 830 unidades em 132 países, onde estudam cerca de 500.000 alunos. Na França, ela conta com escolas e centros culturais para estudantes estrangeiros. O Brasil tem a maior rede mundial de Alianças francesas com 37 associações e 68 unidades.

É a única instituição no Brasil autorizada pela Embaixada da França, a aplicar os exames que dão acesso aos diplomas internacionais DELF e DALF, reconhecidos pelo Ministério da Educação Nacional francês. A Aliança Francesa também é centro de exames oficial para aplicação de testes internacionais com validade de dois anos TCF (Teste de Conhecimento do Francês) e TEF Canadense (Teste de Avaliação de Francês) e do teste nacional com validade de um ano Capes (reconhecido pelas agencias CAPES e CNPq do MEC).

Neste ano, em comemoração ao seu 135º aniversário, a Aliança Francesa terá grande quantidade de novidades. Dentre elas, a mudança no método de ensino, que trará maior dinamismo para as salas de aula, com ferramentas digitais e conteúdos muito atuais sobre toda cultura francófona, transformando as aulas em verdadeiros centros de debates de ideias e aprendizado colaborativo.

Serviço:
Evento: Noite das Ideias – Ser Vivo & Floresta
Data: Dia 30 de Janeiro (quinta-feira)
Horário: das 16h às 22h30
Local: Parque Lage (Rua Jardim Botânico 414), das 16h00 às 22h30
Entrada franca.
#noitedasideias #lanuitdesidées

.

Programação principal:

Abertura oficial – 17h45 – no Platô do Parque Lage

18h20 no Platô – Mesa 1: SENTIR a floresta

19h20 no Platô – Exibição do documentário Curupira, bicho do mato, de Félix Blume

19h45 no Platô – Mesa 2: TRADUZIR a floresta

21h no Platô – Mini-concerto da cantora Marlui Miranda.

21h45 no Platô – Mesa 3: OUVIR a floresta

Programação paralela:

16h – 17h30 no Bosque do Parque Lage

Contação de histórias para crianças: “Contos da Amazônia” com José Mauro Brant e Oficina de confecção de mandalas (crianças) com o grupo Flecha Design.

18h – 21h na Oca do Parque Lage – Momentos artísticos e criativos

Exibição do longa-metragem: Era uma floresta de Luc Jacquet, documentário, 2013, 78 min; e do curta-metragem Curupira, besta dos bosques de Félix Blume, 2018, 35 min, sobre os sons e lendas da Floresta Amazônica.

Mais informações sobre a programação do evento:

Cacau Gondomar: cacau78@centroin.net.br (+55 21 99195 7563).

www.rioaliancafrancesa.com.br

www.facebook.com/aliancafrancesarj

www.youtube.com/user/aliancafrancesarj

www.instagram.com/rioaliancafrancesa

Comentários

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *

*