Home / Arte / Adolpho Job – “Contemporâneo e orgânico”

Adolpho Job – “Contemporâneo e orgânico”

Tony Franco é Administrador de Empresas.

Tony Franco é Administrador de Empresas.

Conte-nos um pouco sobre você…

Me chamo Adolpho Job, nascido em Riachão do Jacuípe/BA e residente em Feira de Santana, fiz a graduação em comunicação social com habilitação em publicidade e propaganda que me levou ao caminho da arte a partir do meu envolvimento com o design gráfico.

Amo cozinhar, fotografar, ir à praia e observar a natureza, são meus hobbies que ajudam folgar os pensamentos e lembrar que estou vivendo o presente, deixando as angústias falarem mais baixo dentro da cabeça.

Quando despertou seu desejo de ser um artista plástico?

Adolpho Job é Artista Plástico.

Adolpho Job é Artista Plástico.

Meu desejo por ser artista foi um processo espontâneo, mas que só percebi muito depois, fui um adolescente ligado à arte, explorei bastante o colégio nos trabalhos artísticos, mas não me imaginei criando uma carreira em cima disso. Passei a trabalhar com design gráfico em 2017 criando artes publicitárias, mas ainda não me via na posição de artista e criador, até o início do ano de 2021.

Que tipo de arte mais gosta?

Para fazer sou apaixonado por desenhos e pinturas. Para contemplar eu gosto da música, escultura e dança.

Como desenvolveu seu estilo (técnicas)?

Meu estilo é parte do meu processo de interação com o cotidiano, vida e natureza. A minha fascinação pelas belas paisagens que habitamos, assim como as formas e cores são fortes elementos que se encaixam na minha técnica.

Tem algum familiar ou conhecido que é artista plástico?

Igor Rodrigues é um amigo que a vida apresentou, ele trabalha com belíssimas artes representando a presença do negro nas artes. Vale muito a pena pesquisar mais sobre as suas obras.

Viver de arte é possível?

Depois de 5 anos trabalhando com arte posso dizer que é possível sim, mas como toda profissão exige disciplina, conhecimento do seu processo artístico e autonomia, pois muitas vezes trabalhamos de forma independente, sem o suporte de grandes cooperativas ou empresas.

Algum dia já pensou em não atuar mais com arte? pode comentar porquê?

Estou começando agora, vejo que tenho muito caminho para trilhar ainda.

Quais habilidades são necessárias hoje para o artista plástico?

A habilidade que mais vejo sendo necessária é a profissionalização do seu trabalho, mesmo que você atue de forma autônoma. Trabalhamos prestando serviço aos clientes, que podem ser grandes empresas, portanto ter certas formalizações, como CNPJ, agenda, contratos etc, é importante para trazer boas oportunidades no mercado artístico.

O que você sente quando cria ou aprecia uma obra de arte?

O meu momento de criação e apreciação é baseado nos sentimentos, expressões, sensações e desejos.

Suas inspirações para criar uma obra de arte?

Minha maior inspiração para as obras é a natureza, desde as plantas do jardim até a complexidade do ser humano. Gosto de contemplar as raízes do comportamento humano, baseado em análises antropológicas da comunicação do homem. Claro que tudo isso se mistura com o imaginário que minha criança interior me dá de presente em todas as criações.

Qual arte mais impressionou você até agora?

A série CÁPSULA, composta por 8 obras que fiz como minha travessia para o mundo artístico profissional ainda me impressiona. Foi a minha primeira série de quadros feitas a partir da técnica digital que teve como objeto de estudo os meus sentimentos. Citando duas obras preferidas dentro dessa série escolho “Fome de Água” e “Mutação”.

Você tem de estar sempre criando ou cria apenas em certos momentos?

Eu crio todos os dias, por trabalhar com arte no design gráfico, enquanto os meus projetos paralelos sobre expressões emocionais deixo registrados em certos momentos quando preciso deixar o fluxo se mover.







O produto de uma obra sua é único ou tem alguma relação próxima ou distante de sua obra anterior?

Até então elas são únicas e independentes.

Quais os desafios da arte/artista no cenário atual?

Ser artista no Brasil é enfrentar barreiras frequentemente, a falta de apoio e incentivo freia os nossos sonhos que poderiam ser melhor aproveitados a partir de melhores condições políticas educativas e culturais. Mas mesmo sendo um artista independente hoje, sigo atuando com o meu trabalho devagarinho, pois sei que o pouco que faço pode ser um impacto na vida de outra pessoa.

As redes sociais têm lhe ajudado na divulgação de seu trabalho?

Venho publicando o meu trabalho nas redes sociais e o apoio das outras pessoas é muito gostoso, é até um incentivo receber mensagens positivas sobre um trabalho que fiz sem muitas pretenções. Acredito que estar online é um dos passos para ser visto hoje em dia, mas não substitui o network com outras pessoas fora do virtual. A integração pode trazer bons resultados e diminui a carga de precisar criar com base nos algoritmos.

Como as artes plásticas podem contribuir para a educação e cultura?

Arte mexe com o imaginário, é um momento de contemplação individual, cada pessoa possui o seu repertório e bagagem suficientes para interpretar determinada obra e essa possibilidade torna da arte uma grande ferramenta de educação. A cultura é um processo vivo, que pulsa entre cada ser humano e cabe a nós manifestar a sua expansão.

Quais os critérios para estipular o valor de uma obra de arte?

Como estipular o valor de uma obra de arte é uma das grandes questão para novos artistas, ainda me encontro num processo de transição e melhor percepção do meu valor. Mas acho que uma boa forma de precificar é observar o seu tempo de produção X faturamento X qualidades técnicas, levando em questão as variáveis do trabalho. Dessa forma consegue manter um preço justo para você se manter e viver com a sua arte.

Fale sobre seus projetos atualmente…

Atualmente sigo me explorando com novas técnicas e materiais, sigo estudando e testando a arte digital. Pensando em desenvolver uma nova série de obras que retratem as condições e participações do homem na sociedade brasileira, levantando a questão sobre o que é ser “macho”, uma abertura para as novas masculinidades.

Qual o seu conselho para os que estão começando agora?

Não deixe que os erros falem mais alto do que os acertos, a vida é feita desse fluxo contínuo, vamos dançar com a vida ao invés de querer dominar o tempo de cada etapa. Curta o processo, viva o presente, descanse, tenha organização e divida as etapas da forma que for mais confortável pra você.

Se desejar deixe uma mensagem…

A minha mensagem final é um convite para os leitores que adiam o começo de algo, pense nesse algo dividido em pequenas tarefas. Anote: o que precisa para começar?; o que pode ser feito depois do começo?; e o que deixo para o final?. Dessa forma o nosso cérebro interpreta melhor as etapas, vendo pequenos montes ao invés de uma grande montanha.

Sobre suas exposições, tem algum comentário a respeito, sentimentos…

Estou super aberto a convite para exposições, ainda não fiz nenhuma até o momento, mas está dentro da minha lista de metas para 2022, chama que eu to dentro galera!

Poderia comentar alguma curiosidade artística?

Criatividade não é um dom, é exercício diário!

Como definiria sua arte em uma linha?

Contemporâneo e orgânico.

Redes Sociais:

www.estudioajob.com

www.instagram.com/adolphojob

www.behance.net/adolphojob

 

 


Grupo no Facebook | Instagram
LinkedIn | Facebook | Twitter

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*