Home / Arte / Cinemas de rua do Rio inauguram agenda de passeios virtuais do Rolé Carioca em 2021
Mostra CineCidades. Divulgação.
Mostra CineCidades. Divulgação.

Cinemas de rua do Rio inauguram agenda de passeios virtuais do Rolé Carioca em 2021

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura e Estudio M’Baraká apresentam

Roteiro por cinemas de rua do Rio inaugura programação de passeios do Rolé Carioca em 2021

Na esteira da Mostra CineCidades, desdobramento do projeto que exibe curtas e longas sobre a cidade do Rio de Janeiro, o Rolé Carioca começa 2021 com um passeio virtual cheio de glamour: um roteiro pelos cinemas de rua da cidade.

O roteiro será conduzido pelos professores de História William Martins e Roberta Baltar e passará por locais que foram palco da efervescência cultural do Rio de Janeiro na primeira metade do século 20. O passeio acontece no dia 28 de março às 10 horas da manhã pela plataforma Zoom e transmissão simultânea pelo Facebook do Rolé Carioca.

Luz, Câmera, Ação! A saudade do escurinho do cinema inspirou o roteiro de estreia do Rolé Carioca em 2021: as antigas salas de projeção da cidade durante a chamada belle époque do cinema.

Publicidade: Banner Luiz Carlos de Andrade Lima

Capital antenada com as novidades e invenções da Europa do final do século 19 e início do século 20, o Rio de Janeiro viveu intensamente o glamour da era de ouro dos cinemas. Já em 1908, a região central da cidade abrigava nada menos do que 20 cinemas.

A avenida Rio Branco, os arredores da Praça Tiradentes e a região que depois veio a ser conhecida como Cinelândia – ou a Broadway brasileira – concentravam as salas de exibição que projetavam filmes europeus, norte-americanos e – a partir da década de 30 – produções brasileiras.

O Teatro Carlos Gomes, o Cine Ideal, o Cine Íris, o Cine Orly, o Cine Theatro Rex, o Cine Vitória, o Cine Pathé, o Cine Palácio e o Cine Odeon – um dos únicos que continuam na ativa – estavam no centro da vida cultural carioca, trazendo as novidades que chegavam da Europa.

Este período se estendeu até meados da década de 70, quando os cinemas de rua começaram a entrar em decadência até serem substituídos, em meados dos anos 90, por igrejas evangélicas ou salas especializadas em filmes pornográficos.

No entanto, a memória deste período continua viva e vibra nas fachadas de prédios históricos, alguns tombados, que retratam diferentes estilos – da art déco à art nouveau – e oferecem surpresas como a cúpula projetada pelo engenheiro francês Gustave Eiffel para o Cine Ideal, entre outras curiosidades.

Embora a maior parte destes cinemas encontre-se desativada, os prédios mantêm sua estrutura preservada – seja pelo tombamento, seja pela revitalização, seja pela reforma para diversos usos, garantido uma verdadeira aula sobre a sociedade da época a partir das salas de exibição.

Uma das exceções é o imponente Cine Odeon, inaugurado em 1926 e atualmente em funcionamento. Localizado nos primeiros andares de um prédio de onze andares com uso misto em plena Cinelândia, foi reaberto no final dos anos 90 e passou por ampla reforma em 2015 – que incluiu restauração da fachada e do interior e hoje tem capacidade para 550 pessoas.

Cinemas por toda a cidade

Mas engana-se quem pensa que os cinemas fizeram história apenas na área central da cidade. Salas importantes e majestosas se espalharam por todas as regiões, incluindo bairros do subúrbio como Méier, – que inaugurou, em 1954, o Imperator, maior cinema da América Latina até então – Tijuca, Madureira, Bangu, Campo Grande e a zona da Leopoldina – local onde se concentrava o maior número de cinemas da cidade no final da década de 40 e início da década de 50.

O roteiro inclui ainda o Cine Roxy, em Copacabana, que foi inaugurado em 1938 e tornou-se rapidamente referência para os cariocas. Foi tão importante que as principais inovações da indústria cinematográfica chegavam primeiro em sua sala – na década de 90 sofreu uma grande reforma e foi dividido em 3 salas, mas manteve o seu majestoso hall de entrada e a suntuosa fachada, marcas registradas do prédio.

Além dos já tradicionais e concorridos passeios, o Rolé Carioca 2021 amplia suas ações e apresenta uma programação diversificada, como o Papo de Rolé – série de papos virtuais com pessoas que pensam a cidade (www.rolecarioca.com.br/papoderole/acervo), a Mostra CineCidades (www.rolecarioca.com.br/cinecidades) e o Mapa de Memórias – onde o Rolé ouve e registra histórias e relatos sobre as pessoas e a cidade (www.rolecarioca.com.br/mapa/).

SERVIÇO – Rolé Carioca – Cinemas de Rua do Rio
Data: 28 de março (domingo)
Hora: 10 horas
Participação: O link do Zoom será liberado às 09h50 nos perfis do projeto (Facebook e Instagram)
Gratuito – Não é necessário fazer inscrição Duração: aproximadamente 1 hora
Site: www.rolecarioca.com.br Facebook: /RoleCarioca Instagram: @rolecarioca YouTube: /RoleCarioca

 

Confira a programação de roteiros virtuais até julho:

Abril – Um circuito especial escolhido pelos rolezeiros
Passeio – Dia 25 de abril

Maio – Mapa de Memórias Cariocas – Um roteiro por lugares que já não existem mais
Passeio – Dia 30 de maio

Junho – João do Rio 100 anos – A alma encantada das ruas
Passeio – Dia 27 de Junho

Julho – Rio, Capital Mundial da Arquitetura
Passeio – Dia 25 de Julho

Sobre o Rolé Carioca

Projeto multiplataforma de cultura e conhecimento sobre o Rio de Janeiro, o Rolé Carioca agrega um rico acervo de histórias, curiosidades, fatos e personagens coletados em quase uma década dedicada às pessoas, à memória e à cultura da cidade.

Criado em 2013 a partir de passeios presenciais por diferentes roteiros, contando histórias sobre o Rio e seus personagens, o Rolé Carioca expande sua atuação em 2021 se dedicando a ouvir histórias de moradores e trazer reflexões sobre o espaço urbano por meio de ações como o Mapa de Memórias, o webseminário Papo de Rolé e a mostra de filmes CineCidades – mesclando programação virtual e presencial, adaptada ao momento de pandemia.

Por sua trajetória, o Rolé Carioca foi um dos vencedores de 2019 do prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, concedido pelo IPHAN a iniciativas de preservação e difusão do patrimônio histórico e cultural.

Sobre o Estúdio M’Barakå (UM-BA-RA-KÁ) – Realizador e idealizador do projeto

Criado há 14 anos por Isabel Seixas e Diogo Rezende, o estúdio M’Baraká desenvolve projetos múltiplos com profissionais de diversos segmentos e se destaca por sua metodologia, que envolve criação, pesquisa, planejamento estratégico e direção de arte. Desde 2013, a economista Larissa Victorio faz parte da sociedade. Os projetos do grupo são únicos, focados na criação de experiências relevantes, que geram conhecimento e valor para seus públicos: www.mbaraka.com.br

O Rolé Carioca conta com o patrocínio da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, da Secretaria Municipal de Cultura, da Estacio e da Operadora Nacional do Sistema Elétrico (ONS), copatrocínio da First RH Group e Shift Gestão de Serviços, por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura – Lei do ISS, e apoio da Lecca e do Congresso Mundial de Arquitetura.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *

*