Cinemas de rua do Rio inauguram agenda de passeios virtuais do Rolé Carioca em 2021

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura e Estudio M’Baraká apresentam

Roteiro por cinemas de rua do Rio inaugura programação de passeios do Rolé Carioca em 2021

Na esteira da Mostra CineCidades, desdobramento do projeto que exibe curtas e longas sobre a cidade do Rio de Janeiro, o Rolé Carioca começa 2021 com um passeio virtual cheio de glamour: um roteiro pelos cinemas de rua da cidade.

O roteiro será conduzido pelos professores de História William Martins e Roberta Baltar e passará por locais que foram palco da efervescência cultural do Rio de Janeiro na primeira metade do século 20. O passeio acontece no dia 28 de março às 10 horas da manhã pela plataforma Zoom e transmissão simultânea pelo Facebook do Rolé Carioca.

Luz, Câmera, Ação! A saudade do escurinho do cinema inspirou o roteiro de estreia do Rolé Carioca em 2021: as antigas salas de projeção da cidade durante a chamada belle époque do cinema.

Anúncio

Capital antenada com as novidades e invenções da Europa do final do século 19 e início do século 20, o Rio de Janeiro viveu intensamente o glamour da era de ouro dos cinemas. Já em 1908, a região central da cidade abrigava nada menos do que 20 cinemas.

A avenida Rio Branco, os arredores da Praça Tiradentes e a região que depois veio a ser conhecida como Cinelândia – ou a Broadway brasileira – concentravam as salas de exibição que projetavam filmes europeus, norte-americanos e – a partir da década de 30 – produções brasileiras.

Receba Notícias de Exposições e Eventos em geral em nosso grupo no Whatsapp!
*Só nós postamos no grupo, então não há spam! Pode vir tranquilo.

O Teatro Carlos Gomes, o Cine Ideal, o Cine Íris, o Cine Orly, o Cine Theatro Rex, o Cine Vitória, o Cine Pathé, o Cine Palácio e o Cine Odeon – um dos únicos que continuam na ativa – estavam no centro da vida cultural carioca, trazendo as novidades que chegavam da Europa.

Este período se estendeu até meados da década de 70, quando os cinemas de rua começaram a entrar em decadência até serem substituídos, em meados dos anos 90, por igrejas evangélicas ou salas especializadas em filmes pornográficos.

No entanto, a memória deste período continua viva e vibra nas fachadas de prédios históricos, alguns tombados, que retratam diferentes estilos – da art déco à art nouveau – e oferecem surpresas como a cúpula projetada pelo engenheiro francês Gustave Eiffel para o Cine Ideal, entre outras curiosidades.

Embora a maior parte destes cinemas encontre-se desativada, os prédios mantêm sua estrutura preservada – seja pelo tombamento, seja pela revitalização, seja pela reforma para diversos usos, garantido uma verdadeira aula sobre a sociedade da época a partir das salas de exibição.

Uma das exceções é o imponente Cine Odeon, inaugurado em 1926 e atualmente em funcionamento. Localizado nos primeiros andares de um prédio de onze andares com uso misto em plena Cinelândia, foi reaberto no final dos anos 90 e passou por ampla reforma em 2015 – que incluiu restauração da fachada e do interior e hoje tem capacidade para 550 pessoas.

Cinemas por toda a cidade

Mas engana-se quem pensa que os cinemas fizeram história apenas na área central da cidade. Salas importantes e majestosas se espalharam por todas as regiões, incluindo bairros do subúrbio como Méier, – que inaugurou, em 1954, o Imperator, maior cinema da América Latina até então – Tijuca, Madureira, Bangu, Campo Grande e a zona da Leopoldina – local onde se concentrava o maior número de cinemas da cidade no final da década de 40 e início da década de 50.

O roteiro inclui ainda o Cine Roxy, em Copacabana, que foi inaugurado em 1938 e tornou-se rapidamente referência para os cariocas. Foi tão importante que as principais inovações da indústria cinematográfica chegavam primeiro em sua sala – na década de 90 sofreu uma grande reforma e foi dividido em 3 salas, mas manteve o seu majestoso hall de entrada e a suntuosa fachada, marcas registradas do prédio.

Além dos já tradicionais e concorridos passeios, o Rolé Carioca 2021 amplia suas ações e apresenta uma programação diversificada, como o Papo de Rolé – série de papos virtuais com pessoas que pensam a cidade (www.rolecarioca.com.br/papoderole/acervo), a Mostra CineCidades (www.rolecarioca.com.br/cinecidades) e o Mapa de Memórias – onde o Rolé ouve e registra histórias e relatos sobre as pessoas e a cidade (www.rolecarioca.com.br/mapa/).

SERVIÇO – Rolé Carioca – Cinemas de Rua do Rio
Data: 28 de março (domingo)
Hora: 10 horas
Participação: O link do Zoom será liberado às 09h50 nos perfis do projeto (Facebook e Instagram)
Gratuito – Não é necessário fazer inscrição Duração: aproximadamente 1 hora
Site: www.rolecarioca.com.br Facebook: /RoleCarioca Instagram: @rolecarioca YouTube: /RoleCarioca

 

Inscreva-se para receber as Novidades sobre Eventos
e o Universo das Artes primeiro!

Confira a programação de roteiros virtuais até julho:

Abril – Um circuito especial escolhido pelos rolezeiros
Passeio – Dia 25 de abril

Maio – Mapa de Memórias Cariocas – Um roteiro por lugares que já não existem mais
Passeio – Dia 30 de maio

Junho – João do Rio 100 anos – A alma encantada das ruas
Passeio – Dia 27 de Junho

Julho – Rio, Capital Mundial da Arquitetura
Passeio – Dia 25 de Julho

Sobre o Rolé Carioca

Projeto multiplataforma de cultura e conhecimento sobre o Rio de Janeiro, o Rolé Carioca agrega um rico acervo de histórias, curiosidades, fatos e personagens coletados em quase uma década dedicada às pessoas, à memória e à cultura da cidade.

Criado em 2013 a partir de passeios presenciais por diferentes roteiros, contando histórias sobre o Rio e seus personagens, o Rolé Carioca expande sua atuação em 2021 se dedicando a ouvir histórias de moradores e trazer reflexões sobre o espaço urbano por meio de ações como o Mapa de Memórias, o webseminário Papo de Rolé e a mostra de filmes CineCidades – mesclando programação virtual e presencial, adaptada ao momento de pandemia.

Por sua trajetória, o Rolé Carioca foi um dos vencedores de 2019 do prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, concedido pelo IPHAN a iniciativas de preservação e difusão do patrimônio histórico e cultural.

Sobre o Estúdio M’Barakå (UM-BA-RA-KÁ) – Realizador e idealizador do projeto

Criado há 14 anos por Isabel Seixas e Diogo Rezende, o estúdio M’Baraká desenvolve projetos múltiplos com profissionais de diversos segmentos e se destaca por sua metodologia, que envolve criação, pesquisa, planejamento estratégico e direção de arte. Desde 2013, a economista Larissa Victorio faz parte da sociedade. Os projetos do grupo são únicos, focados na criação de experiências relevantes, que geram conhecimento e valor para seus públicos: www.mbaraka.com.br

O Rolé Carioca conta com o patrocínio da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, da Secretaria Municipal de Cultura, da Estacio e da Operadora Nacional do Sistema Elétrico (ONS), copatrocínio da First RH Group e Shift Gestão de Serviços, por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura – Lei do ISS, e apoio da Lecca e do Congresso Mundial de Arquitetura.

Deixe um comentário