G. Rodley – “Expressando Sentimentos Através do Pincel”

Rodley, conte-nos um pouco sobre você…

Nasci em Montevidéu República Oriental do Uruguai em 1953. Desde muito jovem me aventurei em diversos ramos da arte: música, canto, teatro, desenho.

Anúncio

Já em 1967, aos quatorze anos, ganhou o primeiro prêmio no concurso de desenho organizado pelo clube AFE de Montevidéu.

Em 2004 obtive o segundo prêmio no concurso de desenho e pintura organizado pela RAINCOOP.

Como passatempos, talvez o mais importante porque também está relacionado com a arte, está o gosto pelo trabalho em madeira – TALHA, TRATAMENTO, PIROGRAFIA E ESCULTURA pelo método de lixagem e polimento.

Na minha formação artística no que diz respeito à pintura, tive a influência de vários professores, de quem tirei conselhos e ensinamentos para depois ter a minha própria identidade.

É por isso que em minhas pinturas você pode identificar a folhagem de uma árvore como Bob Roos poderia ter pintado, ou um rancho de praia estilo Jorge Damiani de quem peguei suas técnicas e usei minha sensibilidade para obter pinturas personalizadas.

Quando despertou seu desejo de ser um artista plástico?

Minha vocação para a arte, como expliquei anteriormente, vem desde a infância, mas querer me dedicar integralmente à pintura surgiu a partir do ano de 2004, o que me levou a fazer minha primeira exposição individual em 2007 (SEQUÊNCIAS E CONSEQUÊNCIAS) NA CIDADE DE O DEPARTAMENTO DA COSTA DE CANELONES – onde vivi por mais de cinquenta anos.

A pintura para mim é a forma de arte que mais pode definir o homem. Alguém disse uma vez: o homem é tanto mais homem quanto mais receptivo à beleza.

Que tipo de arte mais gosta?

Sou mais que tudo PAISAGEM mas muitas vezes deixo meus sentimentos voarem em abstrações que me identificam com as situações vividas.

Além disso, grande parte das minhas paisagens são criações, baseadas em memórias guardadas como tesouros de infância, com cores fantasiosas que contrastam com a natureza.

Como desenvolveu seu estilo (técnicas)?

Costumo trabalhar com técnicas mistas.

Cite caso tenha tido influências artísticas em suas obras e de quais artistas?

As influências que posso ter em minhas pinturas não são de estilo, mas de técnicas variadas aprendidas com diferentes referências.

Tem algum familiar ou conhecido que é artista plástico?

Família: ALEJANDRO PEREZ NOYA pintor MARAGATO que atualmente reside no CHILE.

E vários conhecidos com quem compartilhamos desde conversas agradáveis ​​até opiniões técnicas (pintor WALTER FREDA, escultor ENRIQUE SCHIAFFARINO).

Viver de arte é possível?

Embora seja difícil no começo, se conseguir, é preciso paciência para atingir a clientela certa. O comprador de arte é um ser muito especial, ele compra por sensibilidade.

Algum dia já pensou em não atuar mais com arte? pode comentar porquê?

Acho que enquanto tiver os sentidos e as condições físicas adequadas, continuarei pintando.

Quais habilidades são necessárias hoje para o artista plástico?

Múltiplas habilidades e conhecimentos somados à sensibilidade e ao bom gosto, pode ser o início de um artista plástico, conhecimento de materiais, cores, desenho, perspectiva, anatomia estética, etc, etc. Uma lista quase infinita poderia ser feita.

O que você sente quando cria ou aprecia uma obra de arte?

Uma criação é o reflexo da ALMA do artista, nas cores podemos ver o seu estado de espírito, podemos deduzir alegrias e tristezas, e uma vez terminada a obra, emerge o NARCISO que carregamos dentro de nós, adquirindo um sentimento de paternidade da obra.

Mas ao apreciar o trabalho de outro artista, antes de analisar suas técnicas aplicadas, procuro perceber o que o colega sentiu e quis transmitir em seu trabalho.

Suas inspirações para criar uma obra de arte?

Pode haver múltiplos motivos de inspiração, assim como obras múltiplas e diversas. Pessoalmente, sou nutrido pela natureza, a lua é uma protagonista regular. Nas minhas criações, despejando aquela luz que não é dela mas é fornecida pelo sol, entre os galhos de uma floresta frondosa que me apaixona.

Qual arte mais impressionou você até agora?

Acho que se outro tipo de arte me impressionasse mais, seria o que eu estaria fazendo.

Você tem de estar sempre criando ou cria apenas em certos momentos?

Em geral, estou sempre ativo, faço minhas criações em rascunhos e esboços, antes de levá-los para a tela, estou em atividade quase contínua.

O produto de uma obra sua é único ou tem alguma relação próxima ou distante de sua obra anterior?

Muitas vezes as obras podem ser sequências, tudo depende da inspiração.

Quais os desafios da arte/artista no cenário atual?

Os desafios são múltiplos, o principal é que todos os dias tentamos ser melhores do que no dia anterior e o desafio mais preocupante para mim é que a robótica não tire do ser humano a capacidade de criar.

Inscreva-se para receber as Novidades sobre Eventos
e o Universo das Artes primeiro!

As redes sociais têm lhe ajudado na divulgação de seu trabalho?

Claro que as redes sociais ajudam na divulgação e conhecimento das obras.

Como as artes plásticas podem contribuir para a educação e cultura?

Entendo que todas as artes são cultura e não há cultura sem educação.

Como analisa as qualidades de uma obra de arte?

O principal para mim é interpretar a mensagem que o artista quis passar depois de suas técnicas aplicadas, o tratamento das cores, etc., perspectivas, sentidos estéticos, etc.

Quais os critérios para estipular o valor de uma obra de arte?

O valor da obra é dado pelo comprador da arte.

Fale sobre seus projetos atualmente…

O próximo projeto é preparar uma exposição temática de lugares icônicos da cidade onde moro.

Qual o seu conselho para os que estão começando agora?

Quem se inicia na arte é porque tem uma sensibilidade especial, meu humilde conselho é continuar, não se deixe abater por críticas negativas, procure ser melhor a cada dia e coloque sua alma em cada trabalho que iniciar.

Se desejar deixe uma mensagem…

Não se esqueça que quando estamos criando, somos nós mesmos que estamos dentro dela.

Sobre suas exposições, tem algum comentário a respeito, sentimentos…

As exposições são expectativas renovadas, são injeções para seguir em frente.

Poderia comentar alguma curiosidade artística?

Como anedota, na última exposição individual, uma pessoa que estava a olhar para uma das minhas criações, quando me aproximei dela, disse-me com muita certeza… “Quando eu era criança ficava naquela casa e até agora achava que aquela imagem era exclusivamente minha.”

Como definiria sua arte em uma linha?

Expressando os meus sentimentos através do pincel.

Redes Sociais:

Facebook: G. Rodley – Rafael Rodriguez

* Agradecimentos a Buana Lima, assessora do artista plástico, por todas as informações pertinentes à entrevista.

Tony Franco é Administrador de Empresas.
Tony Franco é Administrador de Empresas.

Relacionados:

Deixe um comentário

×