Home / Arte / Galerias brasileiras participam de feiras de Nova Iorque com apoio do Projeto Latitude
Obra ‘Entre elas (limestone)’, de Maria Laet, estará na exposição da Galeria Marilia Razuk na Frieze Viewing Room.
Obra ‘Entre elas (limestone)’, de Maria Laet, estará na exposição da Galeria Marilia Razuk na Frieze Viewing Room.

Galerias brasileiras participam de feiras de Nova Iorque com apoio do Projeto Latitude

Com formato presencial e online, as edições de Frieze New York e NADA House 2021 têm início em 05 e 08 de maio, respectivamente

Obra ‘Entre elas (limestone)’, de Maria Laet, estará na exposição da Galeria Marilia Razuk na Frieze Viewing Room

Em maio a cidade de Nova Iorque irá abrigar algumas feiras de arte contemporânea, como a Frieze New York e a NADA House. Cinco galerias brasileiras participam destas feiras com o apoio do projeto Latitude – Platform for Brazilian Art Galleries Abroad, uma parceria da ABACT (Associação Brasileira de Arte Contemporânea) e Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos).

Publicidade: Banner Luiz Carlos de Andrade Lima

FRIEZE NEW YORK

Quatro galerias brasileiras participam do evento, que realiza sua 10ª edição, de 05 a 14 de maio, agora em novo local, o The Shed, que fica na região de Manhattan. Frieze retorna após sua edição presencial cancelada por conta da pandemia em 2020, com atrações presenciais em menor formato de 05 a 09 de maio, mas conta também com exposições online na Frieze Viewing Room entre os dias 05 e 14 de maio.

Entre as galerias participantes estão a Fortes D’ Aloia & Gabriel, Galeria Marília Razuk, Galeria Nara Roesler e Mendes Wood DM.

Mais informações sobre a feira podem ser encontradas em: www.frieze.com/fairs/frieze-new-york e frieze.com/viewingroom.

A Fortes D’Aloia & Gabriel preparou um projeto especial para a Frieze, intitulado ‘Unnamable (Inominável)’. São fotos, pinturas, esculturas e produções audiovisuais que retratam o zeitgeist abordando questões do colonialismo, violência, religião, censura, e o retrato, através da arte, dos caminhos da sociedade brasileira. Os artistas participantes deste projeto são: Mauro Restiffe, Tiago Carneiro da Cunha, Yuli Yamagata, Ivens Machado, Ernesto Neto, Erika Verzutti, Adriana Varejão, Cristiano Lenhardt, Márcia Falcão, Tamar Guimarães, Kasper Akhoj, Bárbara Wagner e Benjamin de Burca.

A Galeria Marília Razuk apresenta ‘Poéticas Para Adiar o Fim do Mundo’, que tem produções de artistas que foram destaque na segunda metade do século XX. As obras são um reflexo de interações pessoais de cada um com o mundo à sua volta. Entre os artistas estão José Leonilson, Eleonore Koch, Johanna Calle, Maria Laet, Vanderlei Lopes e Mariana Serri.

A Galeria Nara Roesler apresenta nos formatos presencial e online da Frieze um diálogo das diferentes práticas no retrato do “eu” pelo ponto de vista de três artistas brasileiros: Cristina Canale, Carlito Carvalhosa e Amelia Toledo. A seleção de obras traz a oportunidade de entender como as diversas formas do retrato de si acabam se coincidindo. A exposição conta com trabalhos icônicos de Carlitos no espelho, o engajamento de Cristina com retratos abstratos, e as obras interativas de Amelia com sons. O objetivo é mostrar a pluralidade e liberdade que deve existir quando houver a narrativa de construção da própria imagem.

A Mendes Wood DM também estará na Frieze de forma híbrida (presencial e online) e apresenta uma seleção especial de obras de alguns artistas representados pela galeria: Solange Pessoa, Sonia Gomes, Rubem Valentim, Paulo Monteiro, Marina Perez Simão, Giangiacomo Rossetti, Maaike Schoorel, Wallace Pato, Paulo Nazareth, Matthew Lutz-Kinoy, Paloma Bosquê, Lynda Benglis, Sofia Borges e Neïl Beloufa.

NADA HOUSE

Outra feira que acontece no mês de maio em Nova Iorque é a NADA House (do grupo The New Art Dealers Alliance), que promove sua 3ª edição neste ano. Serão cerca de 66 galerias e mais de 100 artistas participando no evento a ser realizado em formato presencial, de 08 de maio a 01 de agosto. As exposições serão montadas em cerca de 50 salas em prédios localizados em diferentes bairros de Nova Iorque. A galeria brasileira CASANOVA participa deste evento.

Mais informações sobre a feira podem ser encontradas em: www.newartdealers.org/programs/nada-house/

Na NADA House, a CASANOVA apresenta uma instalação que conecta os trabalhos de Ignacio Gatica e Martin La Roche. Ignacio apresenta uma seleção de relógios de coleção usados em campanhas presidenciais dos EUA, programados para tocar em horários específicos, relacionados a eventos históricos nos quais as intervenções do país americano no resto do mundo acabaram moldando o presente. Já Martin traz pedaços de palavras cruzadas em diferentes idiomas formando uma grande arquitetura que possibilita ao espectador ressignificar as palavras cruzadas como uma tecnologia para medir as palavras e os significados que nos rodeiam. Ambas apresentações fazem o público pensar sobre o que dita a maneira como usamos nossa memória e, especificamente, quais dessas memórias e eventos moldaram o escopo de nosso olhar.

Sobre o Latitude – Platform for Brazilian Art Galleries Abroad

O Latitude é um programa desenvolvido por meio de uma parceria firmada entre a Associação Brasileira de Arte Contemporânea – ABACT e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos – Apex-Brasil, para promover a internacionalização do mercado brasileiro de arte contemporânea. Criado em 2007, conta hoje com quase 60 galerias de arte do mercado primário, localizadas em sete estados brasileiros e Distrito Federal, que representam mais de 1000 artistas contemporâneos. Seu objetivo é criar oportunidades de negócios de arte no exterior, fundamentalmente através de ações de capacitação, apoio à inserção internacional e promoção comercial e cultural.

O volume das exportações definitivas e temporárias das galerias do projeto Latitude vem crescendo significativamente. Em 2007, foram exportados US$ 6 milhões e, de acordo com a última Pesquisa Setorial Latitude publicada, em 2017 atingiu-se mais de US$ 65 milhões. As galerias Latitude foram responsáveis por 42% do volume total das exportações do setor no ano.

Desde abril de 2011, quando a ABACT assumiu o convênio com a Apex-Brasil, foram realizadas 48 ações em mais de 26 diferentes feiras internacionais, com aproximadamente 300 apoios concedidos a galerias Latitude. Neste mesmo período, foram trazidos ao Brasil aproximadamente 250 convidados internacionais, entre curadores, colecionadores e profissionais do mercado, em 23 edições de Art Immersion Trips. Além dessas ações, o Latitude realizou cinco edições de sua Pesquisa Setorial, com dados anuais sobre o mercado primário de arte contemporânea brasileira.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *

*