Home / Arte / Claudia Ciappino – “Reciclagem Engenhosa”

Claudia Ciappino – “Reciclagem Engenhosa”

Tony Franco é Administrador de Empresas.

Tony Franco é Administrador de Empresas.

Claudia Ciappino é uma artista plástica italiana envolvida com as questões de preservação do meio ambiente e faz um apelo em suas obras utilizando materiais reciclados. Proporcionando uma nova vida e propósito a esses materiais, demonstra o respeito ao planeta Terra, nossa única casa, e nos faz refletir a respeitarmos também.

Entrevista

Claudia, fale-nos um pouco sobre você…

Nasci em Formia (LT) e vivo numa pequena aldeia na província de Caserta. Vim de uma família de origens humildes. Desde crianca sempre adorei desenhar paisagens. Sou muito fascinada pelas cores e lembro-me que quando olhei os quadros pendurados na casa fantasiei em saber quem os pintou. Então comecei a estudar os artistas do passado e fantasiei que um dia poderia me tornar como eles. Ao longo do tempo tenho me dedicado ao desenho a lápis, colocando amor e paixão nisso. Daí a escolha de uma formação artística. Na verdade me formei no Instituto de Arte Estadual de Cascano. No passado eu trabalhava como assistente de loja em um supermercado agora sou uma dona de casa e mãe em tempo integral.

Claudia Ciappino é Artista Plástica.

Claudia Ciappino é Artista Plástica.

Quando despertou seu desejo de ser um artista plástica?

O meu desejo de utilizar plástico nas minhas obras surgiu de um problema ambiental de minha província:

» A eliminação correta dos resíduos «

Para algumas das minhas obras recolho e insiro os resíduos. Faço-o para sensibilizar as pessoas para a eliminação correta dos resíduos como plástico, papel, vidro e alumínio. Com plástico produzo composições florais em relevo nas telas.

Que tipo de arte mais gosta?

Existem dois tipos de arte que eu prefiro e faço: arte abstrata e figurativa. Arte abstrata por que dou vazão à toda a minha imaginação criando imagens que não pertencem a realidade visual tentando expressar nas composições livres de linhas, formas, cores, sem imitar a realidade concreta procuro comunicar conteúdos e significados com o uso da cor para despertar fortes emoções interiores. Ao contrário da arte abstrata, a arte figurativa se preocupa com a representação de imagens reconhecíveis do mundo ao nosso redor, tentando transmitir emoções profundas a quem observa a obra.

Como desenvolveu seu estilo (técnicas)?

A técnica que uso é mista. Utilizo acrílicos, óleo, glitter e materiais reciclados. Tendo a usar acrílico pela grande variedade de cores que mantém o brilho e também porque tem um tempo de secagem curto. Depois enriqueço as pinturas com aplicação de material reciclado e glitter para fazer brilhar as obras. Sendo autodidata experimento também utilizar a técnica de decoupage em minhas pinturas.

Cite caso tenha tido influências artísticas em suas obras e de quais artistas?

Sim, na minha carreira artística tive alguns artistas que influenciaram a minha arte. Picasso pelos resumos mas também pelas esculturas feitas de material reciclado. Na verdade, ele criou muitas obras como a cavea de Touro, a Cabra e o jovem Babuino. Depois há Vincent Van Gogh por suas paisagens fascinantes que me emocionam muito. E por último a minha querida amiga artista plástica Fabiana Macaluso com a sua arte que vem de seus trabalhos, há muitos retratos de mulheres africanas, com estes trabalhos do último período dirigindo-me a retratar rostos femininos. Mas ainda estou procurando novas ideias e estilos de pintura para crescer artisticamente.

Tem algum familiar ou conhecido que é artista plástico?

Não, não tenho familiares que sejam artistas plasticos.

Viver de arte é possível?

Sim, mas não é simples. O mundo da arte hoje não é para todos porque muitas vezes se gastam recursos e esforços. Ou há os privilegiados onde o talento artístico fica em segundo plano. Tudo neste período é agravado pelo grave problema que aflige o mundo inteiro, o Covid, que tem posto de joelhos toda a economia nacional e internacional.

Algum dia já pensou em não atuar mais com arte? pode comentar porquê?

Quando menina, quando estava prestes a me formar, decidi fechar com a arte. Uma das muitas razões é que estava pensando na vida vivida por Van Gogh, um grande artista que não foi reconhecido em vida, mas somente após sua morte. Tudo isso me desmotivou, fazendo-me acreditar a princípio que nunca seria capacitada de fazer conhecer a minha arte e tudo dentro de mim. Situação que no último período mudou principalmente devido ao conhecimento artístico que adquiri, outra razão era pensar que era impossível entrar no mundo da arte porque eu tinha pouca confiança em mim mesma.

Quais habilidades são necessárias hoje para o artista plástico?

É preciso ter muita imaginação, determinação e dedicação no trabalho com artes plásticas para fazer uma obra renascer de um simples objeto de plástico que definitivamente deveria ser jogado fora. Ter habilidades manuais para trabalhá-lo, depois decorá-lo dando-lhe uma nova vida, revirando a forma que tinha inicialmente, dando lhe uma nova vida para dar-lhe o valor certo.

O que você sente quando cria ou aprecia uma obra de arte?

Quando crio, carrego para a tela tudo o que sinto: raiva, ressentimento, tristeza, aflição, felicidade, alegria. Pinto as cores e os pincéis. Não consigo nem pensar nos problemas que me cercam, é como se fosse afastando-me de todos, passando todos os medos, sinto uma grande satisfação conforme o trabalho toma forma e quando finalmente o concluo sinto uma imensa alegria que me leva a publicá-lo à todos.

Suas inspirações para criar uma obra de arte?

As vezes me inspiro nas pessoas com quem convivo, nos problemas do dia a dia e também nos ambientais.

Qual arte mais impressionou você até agora?

A arte que mais me impressionou até agora é o hiperrealismo. Trata-se de um movimento artístico que se desenvolveu nos Estados Unidos no final dos ano 60, chegando posteriormente também a Europa. É um movimento artístico que se inspira em objetos da vida cotidiana e do consumismo. A figura estilística de absoluta importância que caracteriza esta corrente artística é a de criar obras o mais reais possíveis. O hiperrealismo, de fato, vista imitar a realidade e os artistas que se inspiram nela representam como ela aparece aos seus olhos, sem filtros e sem mentiras.

Você tem de estar sempre criando ou cria apenas em certos momentos?

Nem sempre. Faço quando tenho vontade e quando a inspiração para novos trabalhos cresce dentro de mim. Quando não estou com vontade, não cosigo fazer nada. Tem períodos que não pinto e períodos que vem para mim as ideias uma após a outra, é nesse momento que trabalho incessantemente.

O produto de uma obra sua é único ou tem alguma relação próxima ou distante de sua obra anterior?

Meus trabalhos sempre tiveram uma relação entre eles. Especifico que não se trata de repetição das obras, mas de um fio condutor que descrevo são sempre paisagens, figuras femininas e flores. No entranto, são trabalhos realizados com técnicas diferentes.


Publicidade: Banner Luiz Carlos de Andrade Lima


Quais os desafios da arte/artista no cenário atual?

O desafio é poder entrar nos museus, ser valorizada e historizada, outro é colocar as próprias obras no mercado também porque vivemos um determinado período histórico devido a grave crise econômica e a sucessão de várias lacunas.

As redes sociais têm lhe ajudado na divulgação de seu trabalho?

Sim, neste período divulgo os meus trabalhos através das redes sociais sempre mas com ajuda de galerias e museus. Hoje acaba por ser o único canal para se dar a conhecer.

Como as artes plásticas podem contribuir para a educação e cultura?

As artes plásticas podem contribuir tanto como uma campanha de conscientização para o correto descarte dos resíduos. E com o advento da revolução industrial que inicia o processo de industrialização, o surgimento de grandes fábricas com as consequentes descargas químicas industriais, foram agregadas a outros resíduos, a poluição atmosférica prejudica o meio ambiente e a saúde humana e é um fato que não nos esqueçamos de nossos oceanos que estão cada vez mais se tornando o aterro da Terra. Das sacolas plásticas aos agrotóxicos, a maior parte dos resíduos produzidos pelo homem acaba de uma forma ou de outra no mar, também os navios e plataformas petrolíferas. A cada minuto um caminhão de lixo vai parar no mar, sacos plásticos, sapatos, balões, material de embalagem, em especial o plástico que é um material não biodegradável, corre o risco de ser ingerido por baleias, tartarugas marinhas, gaivotas e outros peixes, acabando inclusive em nossas mesas.

Como analisa as qualidades de uma obra de arte?

A qualidade de uma obra de arte não se analisa simplesmente pela observação e apreciação de uma pintura, é necessário conhecer algumas informações que indiquem a data de execução e o contexto em que foi relizada. Observe-a cuidadosa e metodicamente, descreva-a verbalmente, trasformando a linguagem visual em linguagem falada e escrita. Essa operação nos permite criar conexões mentais entre a obra de arte e nossa história pessoal. Assim, nosso olho vê aspectos particulares que um olhar apressado e distraído nos leva a negligenciar.

Quais os critérios para estipular o valor de uma obra de arte?

Para estabelecer o valor de uma obra de arte é necessário focar nas características principais. Para avaliar corretamente uma obra, deve-se primeiro avaliar a simetria, a harmonia e até os elementos considerados provocativos. Então, existem critérios subjetivos ligados a assinatura, para a atribuição de conservação, proveniência, bibliografia, autenticidade, valor estético e cultural, sujeito e dimensões. Na determinação do valor de mercado de uma obra de arte, a reputação do artista e as vendas anteriores são levadas em consideração.

Fale sobre seus projetos atualmente…

Um projeto que tenho em mente é um coletivo de arte com o grupo do qual pertenço, o Workshop Virtual Art Social Group sem fins lucrativos de Fabiana Macaluso. Uma exposição sobre o tema dos resíduos, sobre a forma correta de eliminá-los e sobre o risco do ambiente que nos rodeia, portanto uma verdadeira campanha de sensibilização.

Qual o seu conselho para os que estão começando agora?

Meu conselho para quem começa agora porque estamos em um momento ruim, é preferível se dar a conhecer através das redes sociais. Começar a entrar em contato com as galerias para iniciar uma carreira artística para expor suas obras. Depois aos poucos as exposições também vão chegar nos museus.

Se desejar deixe uma mensagem…

A mensagem que quero deixar é respeite o nosso planeta Terra. Por isso convido a todos a fazerem a coleta seletiva e a reciclagem correta do plástico, do vidro, do papel e do alumínio. Vivemos num planeta que temos o dever de respeitar, que representa a nossa casa e não temos outro, então vamos rir disso e respeitar a nós mesmos.

Sobre suas exposições, tem algum comentário a respeito, sentimentos…

Fico particularmente feliz apenas pelo fato de minhas obras serem vistas por muitas pessoas, principalmente no exterior, graças as inúmeras exposições virtuais em que tive a honra de participar.

Poderia comentar alguma curiosidade artística?

Uma curiosidade artística na noite estrelada de Vincent Van Gogh e Saint-Remy-de-Provence no sul da Franca. Van Gogh pintou a obra enquanto estava hospitalizado como paciente no hospital psiquiátrico Saint Paul de Mausole em Saint Remy. Meus pensamentos sobre esta história de Van Gogh é que lamento muito porque ele levou uma vida cheia de sacrifícios e com problemas de saúde.

Como definiria sua arte em uma linha?

Reciclagem engenhosa.

Redes Sociais:

Facebook: @Claudia Ciappino

Instagram: @claudiaciappino

 

* Agradecimentos a Buana Lima, assessora da artista plástica, por todas as informações pertinentes a entrevista.

 

 


Grupo no Facebook | Instagram
LinkedIn | Facebook | Twitter

laudia Ciappino é uma artista plástica italiana envolvida com as questões de preservação do meio ambiente e faz um apelo em suas obras utilizando materiais reciclados. Proporcionando uma nova vida e propósito a esses materiais, demonstra o respeito ao planeta Terra, nossa única casa, e nos faz refletir a respeitarmos também. Entrevista Claudia, fale-nos um pouco sobre você… Nasci em Formia (LT) e vivo numa pequena aldeia na província de Caserta. Vim de uma família de origens humildes. Desde crianca sempre adorei desenhar paisagens. Sou muito fascinada pelas cores e…

Revisão Geral

Excelente!!

Sumário : Avalie a entrevista! Agradecemos sua participação!!

Avaliação do Usuário: 4.9 ( 2 votos)

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *

*