Home / Arte / Exposição Pintura Bordada [ensaio sobre a cegueira]
Exposição Pintura Bordada [ensaio sobre a cegueira], convite. Divulgação.

Exposição Pintura Bordada [ensaio sobre a cegueira]

“Os olhos olham, e por verem tão pouco, procuram o que deve estar faltando e não encontram.” José Saramago

A Galeria Paulo Campos Guimarães da Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais apresenta a exposição PINTURA BORDADA do artista visual Domingos Mazzilli a partir do dia 30 de novembro. A exposição é composta por 13 trabalhos realizados em 2016. Trata-se de impressão fine art em canvas de imagens de quadros famosos da História da Arte com interferência de bordados de delicadas pérolas nos olhos das figuras retratadas interditando sua visão.

Diz o artista: “A exposição PINTURA BORDADA nasceu depois de ver a mostra OLHARE SER VISTO em 2011, na Casa Fiat de Cultura , apresentada a partir de um recorte de obras primas do MASP, em que o olhar dos retratados se fazia muito presente. Brincando com a possibilidade de “olhar e não ser visto” foi que tive a ideia de bordar pérolas nos olhos destas pinturas icônicas de grandes mestres da história da arte como Vermeer – Moça com brinco de pérolas e de Jan van Eyck – O Homem do Turbante Vermelho – dentre outras.”

Publicidade: Banner Luiz Carlos de Andrade Lima

Renato Cesar José de Souza, mestre em Arquitetura e Urbanismo e professor de História da Arte e da Arquitetura, com ênfase em Iconologia e Iconografia, escreve no texto da exposição.

“As peças com que nos oculta os olhos de cada personagem retratado combinam com a nobreza que as pinturas transpiram. Delicadas e dotadas de um revestimento luminoso, as vendas criadas pelo artista são fundamentalmente joias, prometendo a função do ornamento próprio daqueles que têm o privilégio de possuí-las e ostentá-las.

Poderíamos tomá-las por máscaras, disfarces das personas que reconhecemos, mas elas não deixam a opção da visão aos indivíduos previamente imortalizados, quando suas imagens foram congeladas e eternizadas durante sua captura pelos artistas originais. São realmente vendas, com seu aspecto totalizante e sufocador.

Impedidas de encarar seus admiradores – nós, o público –, as celebridades mascaradas guardam as expressões que lhes atribuíram seus autores. No entanto, estão definitivamente isoladas de um possível contato visual com estes novos espectadores.Elas mergulham numa involuntária cegueira, da qual só se libertarão se confrontadas às versões originais. Desprovidas dos olhos e do olhar individual, cada figura retratada encontra-se prisioneira, à mercê do observador. Nós as vemos, e elas não poderiam reagir àquilo que vemos.”

Esta exposição comemora os 10 anos de carreira artística de Domingos Mazzilli que fez sua primeira exposição no Corredor Cultural da Biblioteca Pública em 2007.

Domingos Mazzilli

Muzambinho, MG, 1963. Formado em Medicina pela UFMG com pós-graduação em Psiquiatria e História da Arte, pela PUC. Cursou Artes Visuais na EBA – UFMG e Artes Plásticas na Escola Guignard, UEMG, sem, no entanto, concluir os cursos. Tem criado uma obra instigante como artista plástico a partir de 2007, então com 43 anos, quando abandona a medicina. Artista multimídia, transita por vários suportes: faz objetos e assemblages, borda lingeries antigas, objetos de cozinha e carne além de criar vídeos, instalações e fotoperformances. Fez uma tetralogia da dor através dos bordados. Seus temas recorrentes são a memória, o feminino, o doméstico, a dor e o íntimo. Seu alter ego éSusan O. Campo, uma curadora de arte. Fez 18 exposições individuais. Nonada e Borda!, Palácio das Artes, BH[2017]; Fotoperformances, Museu Inimá de Paula BH [2017], Trans, Centro Cultural UFMG [2016]; Carne viva, Palácio das artes BH [2015]; Eu é outr@s , no BDMG Cultural [2014] ; no Viaduto das Artes, BH e Casa dos Contos, Ouro Preto [2015]; Nos porões da razão em nome da loucura, Casarão do Museu Abílio Barreto [2009]; Corpoinstalação no Sesc Pompéia, SP [2008]; Arrumação, Casa da Xiclet Galeria, SP [2008], 40th ChapelArt, SP [2009] dentre outros espaços como a Passarela Cultural e a Galeria Paulo Campos Guimarães da Biblioteca Pública de MG . Reside no distrito de Macacos, Nova Lima, próximo a Belo Horizonte.

PINTURA BORDADA
[ensaio sobre a cegueira]
Domingos Mazzilli
30 de novembro/2017 a 15 de janeiro/2018
2ª a 6ª feira – de 8 às 18 h.
Sábado – de 8 às 12h.
Praça da Liberdade , 21 – Belo Horizonte
Galeria Paulo Campos Guimarães
Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais

Comentários

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *

*