Casa Museu Eva Klabin e Inclusartiz inauguram exposição individual de Kika Carvalho no dia 7 Décembre

“Ultramar” reúne trabalhos inéditos, Parmi les peintures, cianotipias, instalações e colagens a partir da profunda pesquisa da artista sobre a cor azul e a sua função na linguagem e na construção social

Fruto da parceria entre a Casa Museu Eva Klabin e o Instituto Inclusartiz, o programa de residência artística “ÉDEN" chega a sua segunda edição com a exposição "Ultramar", da artista capixaba Kika Carvalho.

Annonce

A individuel, que será aberta ao público na Casa Museu Eva Klabin, à Jeudi, jour 7 Décembre, rassemble des 20 obras — incluindo trabalhos inéditos —, Parmi les peintures, cianotipias, instalações e colagens desenvolvidas a partir da profunda pesquisa da artista sobre a cor azul e a sua função nas relações materiais, históricas e sociais ao longo dos séculos. Le conservateur est Lucas Albuquerque.

Pour le conservateur, a oportunidade de trabalhar junto ao acervo da coleção da Casa Museu Eva Klabin permite pensar projetos curatoriais e de pesquisa capazes de deslocar a produção contemporânea para outros lugares de significação, ampliando o diálogo entre tempos e a fortuna crítica dos artistas convidados.

Annonce

"A escolha do trabalho de Kika se dá justamente nesse lugar: possibilitar a revelação de dados inerentes ao seu interesse de pesquisa poética que por vezes se vê sublimado pela velocidade do cotidiano. Dans ce sens,, o período de pesquisa junto à coleção tão rica instaura outros tempos, tanto de produção como de percepção, que a artista, de l'autre côté, visa a subverter em sua ocupação. Promover novas leituras não só do presente, mas também do passado, em um pensamento espiralar", revela Lucas Albuquerque, que também é curador do programa de residências do Inclusartiz.

Natural de Vitória (ES), Kika Carvalho elegeu o azul como objeto de sua pesquisa, ora o relacionando com as paisagens da cidade-ilha onde nasceu e viveu boa parte de sua vida, ora com aspectos da história da pintura. Fazendo uso deste dado afetivo, Kika incorpora o azul como dado de uma memória fotográfica longínqua, que interpela não apenas suas lembranças pessoais como mulher negra, mas também a história brasileira e suas relações além-mar, na grande Kalunga — palavra da língua banto que significa lugar sagrado, de protection.

Annonce

Recevez des nouvelles des expositions et des événements en général dans notre groupe Whatsapp!
*Seulement nous publions dans le groupe, il n'y a donc pas de spam! Vous pouvez venir sereinement.

O conjunto de obras selecionado pela curadoria para integrar "Ultramar" conta com trabalhos profundamente atravessados pela vivência da artista em Luanda, capitale de l’Angola, onde participou de uma residência artística em 2022, sendo este o seu primeiro atravessamento Atlântico. Pour cette exposition, Kika também preparou obras inéditas que refletem suas experimentações em outras técnicas para além da pintura, como a cianotipia e processos de fotografia analógica. Estes trabalhos propõem ainda um confronto entre a utilização simbólica da cor azul no Egito antigo e sua posterior valorização na imagem sacra cristã, por meio do diálogo direto com itens presentes no acervo da Casa Museu Eva Klabin.

"Eu produzi trabalhos específicos para esta exposição porque acredito que essa é uma oportunidade única de dialogar face a face com peças de uma cultura que contribuiu muito para a minha pesquisa e para o meu fascínio pela cor azul. É também uma ocasião oportuna para discutir sobre a história da arte e sobre a guerra de narrativas que cerca o deslocamento do Egito do continente africano. Quando pensamos nos feitos dos antigos egípcios, essa história se desloca daquele continente ou até mesmo do Planeta Terra, abrindo a possibilidade de extraterrestres terem contribuído com grandes feitos. Algo que me fascina muito", conclut l'artiste.

Idealizado pelo Instituto Inclusartiz e realizado na Casa Museu Eva Klabin, o programa “ÉDEN” tem como objetivo investigar a casa e a coleção resultante das oito décadas de colecionismo de Eva Klabin (1903-1991). Contando com um dos mais importantes acervos de arte clássica do Brasil, que abrange um arco temporal de quase 50 séculos, a união das duas instituições se funda no desejo de convidar artistas contemporâneos para promover novas frequências dentro da casa e da coleção por meio da criação de trabalhos inéditos, feitos a partir da pesquisa realizada em conjunto com as equipes de curadoria e museologia. A primeira edição do programa contou com a participação da artista carioca Ayla Tavares e culminou na exposição “USTÃO", realizada entre maio e julho de 2023, também sob a curadoria de Lucas Albuquerque.

Inscrivez-vous pour recevoir les actualités de l'événement
et l'Univers des Arts d'abord!

Sobre Lucas Albuquerque

São João de Meriti, RJ, 1996. Vit et travaille à Rio de Janeiro, RJ. Bacharel em História da Arte pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e mestre em Processos Artísticos pelo PPGARTES/ UERJ. É curador independente e pesquisador, tendo sido curador-organizador da Galeria Aymoré (Rio de Janeiro). Actuellement, é também curador do programa de residências artísticas do Instituto Inclusartiz, estabelecendo conexões com artistas, curadores e pesquisadores entre o Brasil, Royaume-Uni, Hollande, Espagne et en France. Realizou a curadoria das exposições “Muamba: Brazilian Traces of Movement" (2023), na Ruby Cruel (Londres, U.K.); "O Sagrado na Amazônia" (2023), avec Paulo Herkenhoff, et"Gamboa: nossos caminhos não se cruzaram por acaso" (2022), no Instituto Inclusartiz (RJ); "USTÃO" (2023), au musée de la maison Eva Klabin (RJ); "Futuração" (2021); et"Bordas da ausência" (2019), na Galeria Aymoré (RJ), além de outras individuais e coletivas.

O Instituto Inclusartiz

Fondée en 1997 por Frances Reynolds, o Instituto Inclusartiz é uma organização cultural não governamental sem fins lucrativos sediada no Rio de Janeiro, que tem como ambição promover a arte contemporânea global por meio da formação de artistas, curadores e pesquisadores em diversas etapas de suas carreiras. À partir de 2021, o instituto conta com um centro cultural na Praça da Harmonia, Dans Gamboa, região portuária do Rio de Janeiro. O polo cultural e criativo abriga um conjunto de iniciativas nas áreas da arte, educação e sustentabilidade, com uma programação orientada a partir de núcleos diversos: résidences d'artistes; educativo; comunitário; expositivo; pesquisa e publicações; sustentabilidade e engajamento social. O espaço fica aberto ao público de terça-feira a domingo, das 11h às 18h e tem entrada franca. Plus d'informations sur inclusartiz.org

Le musée de la maison d'Eva Klabin

A Casa Museu Eva Klabin abriga a coleção reunida por Eva Klabin, um dos mais importantes acervos de arte clássica dos museus brasileiros, contando com mais de duas mil peças que cobrem um arco de tempo de quase 50 séculos, do Egito Antigo ao Impressionismo. A coleção está em exposição permanente e aberta ao público na Casa Museu instalada na residência em que a colecionadora viveu por mais de 30 anos e abrange pinturas, sculptures, mobiliário e objetos de arte decorativa. A Casa que abriga o Museu foi uma das primeiras residências da então recém-urbanizada Lagoa Rodrigo de Freitas, e desde a sua abertura ao público, à 1995, tem oferecido uma programação cultural variada, que inclui, além das visitas ao acervo, atividades como concertos e shows, ateliers, cours, conferências e exposições temporárias. Plus d'informations sur evaklabin.org.br

Service
Exposition: Ultramar
Artiste: Kika Carvalho
Curatelle: Lucas Albuquerque
Local: Maison-musée Eva Klabin
Av. Pessoa, 2480 | Lagon | RJ | (21) 3202-8550
Ouverture: Jeudi, 7 Décembre, de 18h à 21h
Période: 7 Décembre 2023 et 25 Février 2024
Visitation: du mercredi au dimanche: 14h à 18:00, última entrada às 17h30
Livre e gratuito
evaklabin.org.br | IG @evaklabinoficial

Laissez un commentaire