Home / Arte / Oi Futuro apresenta ocupação artística sobre saúde mental protagonizada por mulheres

Oi Futuro apresenta ocupação artística sobre saúde mental protagonizada por mulheres

Projeto Lugar de Cabeça Lugar de Corpo estreia em maio no centro cultural no Flamengo, com performance (13/05), instalação (18/05) e intervenção cênica (19/05)

O projeto Lugar de Cabeça Lugar de Corpo ocupa o Oi Futuro, no Flamengo, até 12 de junho com três atividades artísticas que acontecem em paralelo e abordam a Saúde Mental. Trata-se da performance Uma Mulher ao Sol (estreia dia 13/05, 6ª feira), a instalação Arte em Travessia (estreia dia 18/05, 4ª feira) e a intervenção cênica Entrada Franca aos Visitantes (estreia dia 19/05, 5ª feira).




O projeto é fruto de uma colaboração de três frentes artísticas independentes que têm pesquisado nos últimos anos a relação entre arte e saúde mental: o núcleo artístico Projeto Trajetórias, coordenado pelo diretor Ivan Sugahara e pela atriz Danielle Oliveira, o coletivo teatral En La Barca Jornadas Teatrais, coordenado pelo ator e diretor Bruno Peixoto e pela atriz Anna Fernanda e o Espaço Travessia, coordenado pelo artista e curador Marcelo Valle.

A performance inédita Uma Mulher ao Sol (de 13/05 a 12/06) é uma realização do Projeto Trajetórias, com dramaturgia criada a partir de trechos do livro-diário Hospício é Deus (1965) de Maura Lopes Cançado e direção de Ivan Sugahara.

Receba Notícias de Exposições e Eventos em geral em nosso grupo de Whatsapp!
*Só nós postamos no grupo, então não há spam! Pode vir tranquilo.

As atrizes Danielle Oliveira e Maria Augusta Montera vão usar a linguagem da dança e do teatro físico para abordar a relação entre a experiência do confinamento durante a pandemia e a reclusão vivenciada pela escritora em uma de suas internações no Centro Psiquiátrico Nacional, no Rio de Janeiro. A voz gravada de Danielle lendo trechos do livro é a única fala presente na performance e narra o dia a dia de Maura na instituição, que durou cinco meses (de outubro de 1959 a março de 1960).

A performance reestreia dia 07 de julho no Festival de Avignon – evento que acontece anualmente na França desde 1947, referência internacional na área.

A instalação Arte em Travessia (de 18/05 a 12/06) tem curadoria de Marcelo Valle e vai exibir materiais históricos da psiquiatria e obras plásticas de usuários da rede pública de saúde mental e de artistas visuais ligados ao Espaço Travessia, Núcleo de Cultura e Ciência do Instituto Municipal Nise da Silveira. Obs: 18 de maio é o Dia Nacional da Luta Antimanicomial, por este motivo a instalação será inaugurada nesta data.

A intervenção cênica Entrada Franca aos Visitantes (19/05 a 12/06) será conduzida pelas atrizes Anna Fernanda e Nady Oliveira. Criado pelo coletivo En La Barca Jornadas Teatrais, o trabalho usa a linguagem do teatro documental e se estrutura a partir de narrativas de mulheres que vivenciaram o cotidiano das internações psiquiátricas de alguma forma, seja como usuárias ou como profissionais da saúde. Dramaturgia e direção de Bruno Peixoto.

Saúde Mental

Em comum, as linhas de pesquisa dessas três frentes artísticas investigam as fronteiras entre a sanidade e a “loucura”, em consonância com os movimentos da reforma psiquiátrica e da luta antimanicomial. A discussão ganha relevância no contexto pós-pandemia, em que o confinamento, as perdas e a crise econômica levaram à piora da saúde mental.

Segundo relatório anual de tendências do Linkedin Brasil, 2022 é o ano da saúde mental e, de acordo com pesquisa do instituto Ipsos, encomendada pelo Fórum Econômico Mundial, o bem-estar mental de 53% dos brasileiros piorou um pouco ou muito no último ano, na vida sob a pandemia.

O projeto Lugar de Cabeça Lugar de Corpo será realizado através do patrocínio do Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro e Oi, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura.

Histórico do Projeto “Lugar de Cabeça Lugar de Corpo”

De 2017 a 2019, foi apresentado no Espaço Travessia – núcleo cultural do Instituto Municipal Nise da Silveira – o experimento cênico Lugar de Cabeça Lugar de Corpo, criado pelo coletivo En La Barca Jornadas Teatrais em parceria com a atriz Danielle Oliveira.

Com base em depoimentos de pessoas que vivenciaram internações manicomiais, a experiência teatral teve uma série de apresentações regulares. O público em geral era formado por profissionais, familiares e usuários da rede pública de saúde mental, além da comunidade interessada em romper o isolamento social das pessoas com sofrimentos psíquicos.

Este projeto foi muito bem recebido pelo público e profissionais da área. Em uma iniciativa de romper barreiras e dar amplitude às discussões, foi reelaborado para alcançar um público maior e aprovado pelo edital do Programa Oi de Patrocínios Culturais Incentivados.

Um outro fruto do trabalho Lugar de Cabeça Lugar de Corpo foi a criação do núcleo artístico Projeto Trajetórias, formado pela atriz Danielle Oliveira e pelo diretor Ivan Sugahara. De 2019 a 2022, a dupla realizou uma série de ações audiovisuais sobre a saúde mental e a experiência do confinamento, divulgadas em canais digitais durante a pandemia de Covid-19.

OS DIRETORES:

Bruno Peixoto

Ator, dramaturgo, diretor, escritor e iluminador. Tem mais de vinte anos de trajetória artística em parceria com grupos e companhias teatrais do Rio de Janeiro, Minas Gerais e Bahia. Como escritor é autor de O Livro Dos Pequenos Mistérios, coletânea de contos fantásticos (2012). Desde 2014, integra a Companhia Ensaio Aberto e é um dos diretores do coletivo teatral En La Barca Jornadas Teatrais – pela qual atuou e dirigiu em todos os trabalhos da Trilogia Documental – A Voz Dos Anônimos; além de assinar o roteiro e o desenho de criação das produções em audiovisual do coletivo. É um dos idealizadores da revista JACUBA, publicação anual da En La Barca dedicada ao registro e a reflexão dos projetos realizados a partir dos princípios do Teatro Documentário.

Ivan Sugahara

Formado em Teoria do Teatro (UNIRIO), Ivan é diretor teatral e dramaturgo. Já encenou mais de 50 peças em 23 anos de carreira. Recebeu o Prêmio Cesgranrio 2015 de Melhor Espetáculo por Fala comigo como a chuva e me deixa ouvir e os Prêmios Qualidade Brasil de Melhor Diretor e Espetáculo por Notícias Cariocas (2004), montagem da Cia. dos Atores que co-dirigiu com Enrique Diaz. Foi três vezes indicado ao Prêmio Shell de Melhor Direção e recebeu três indicações aos Prêmios Qualidade Brasil de Melhor Diretor e Melhor Espetáculo. Dirigiu a cerimônia do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro em 8 edições. É diretor artístico da cia. Os Dezequilibrados, que completa 26 anos em 2022.

Marcelo Valle (Curador da instalação)

Mestre em Comunicação Social pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal Fluminense (UFF) (2012-2014), na linha de pesquisa “Mídia, Cultura e Produção de sentido”. Possui graduação em Comunicação Social pela UFF (2002) e especialização em Fotografia como Instrumento de Pesquisa nas Ciências Sociais pela Universidade Cândido Mendes (2004). Fotógrafo, desde 2000, trabalha em diferentes projetos sociais em comunidades de baixa renda, tanto na área rural, quanto urbana. Desde 2016, coordena Espaço Travessia que fica no Instituto Municipal Nise da Silveira atuando como curador de diversas exposições.

AS ATRIZES:

Anna Fernanda

Atriz formada pela ETET de Teatro Martins Penna e historiadora (UERJ). Atriz-pesquisadora e coordenadora do En La Barca Jornadas Teatrais, esteve diretamente envolvida na pesquisa teórica e dramatúrgica, na criação do figurino e na atuação da Trilogia Documental – A Voz Dos Anônimos; composta pelos trabalhos Antônio De Gastão – Memória É Trabalho, Lugar De Cabeça Lugar De Corpo e A Casa E O Mundo Lá Fora – Cartas De Paulo Freire Para Nathercinha. É idealizadora da revista digital JACUBA Vol. 1 – Teatro, memória e cultura popular. esteve na Coordenação e no Conselho Editorial de JACUBA Vol. 2 – Lugar de Cabeça, Lugar de Corpo, Lugar de Memória. Assinou a coordenação geral do projeto Um Certo Senhor Gabriel, documentário sobre o artista popular Gabriel Joaquim dos Santos. Atuou também no espetáculo Um Instante Que Desapareceu sob direção de Carolina Virgüez.

Danielle Oliveira

Atriz, bailarina e pesquisadora formada pela CAL e pós-graduada pela Faculdade Angel Vianna. Trabalha com teatro no Rio de Janeiro há 12 anos. Integrou a Companhia Ensaio Aberto de 2013 a 2016. Idealizou a ocupação teatral Lugar de Cabeça Lugar de Corpo, uma pesquisa artística e social sobre a saúde mental, que aconteceu de 2017 a 2019 no Instituto Municipal Nise da Silveira. Integra o grupo de dança Epifania, dirigido por Dani Cavanellas. Em 2020 criou em parceria com o diretor Ivan Sugahara, o Projeto Trajetórias.

Maria Augusta Montera

Graduada pela CAL em 2015, a atriz Maria Augusta Montera é pesquisadora do método psicofísico de interpretação MUSA criado pelo diretor grego Sotiris Karamesinis. Integrante da Cia. MUSA Teatral, trabalhou durante 5 anos como professora de teatro, diretora e dramaturga na ONG Solar Meninos de Luz, e atuou no documentário Happy Princes premiado 14 vezes em festivais internacionais. Em 2020, concluiu sua formação na École Internationale de Mime Corporel Dramatique, em Paris, e em 2021 participou com seu Projeto Mariposa da residência artística no Instituto Grotowski, na Polônia, onde desenvolveu e realizou um workshop corporal para mulheres.

Nady Oliveira

Atriz pernambucana, bailarina de sapateado formada pela Escola Carol Lemos, e compositora. Integrou a Companhia Ensaio Aberto de 2015 a 2019, onde atuou nos espetáculos Que Tempos São Esses? (2016 a 2018); 10 Dias Que Abalaram O Mundo (2017); Luz Nas Trevas E Canto Negro (2019). Em 2020 atuou em Yabá Mulheres Negras, foi assistente de coordenação artística e atuou no projeto 72 DIAS (2021), contemplado com recursos da Lei Aldir Blanc. Assinou a assistência de direção no documentário Um Certo Senhor Gabriel (2021), é atriz no espetáculo A Casa E O Mundo Lá Fora: Cartas De Paulo Freire Para Nathercinha (2018 – 2021). Integra o coletivo En la Barca Jornadas Teatrais.

SERVIÇO:

Lugar de Cabeça Lugar de Corpo

Performance: Uma Mulher ao Sol (de 13/05 a 12/06)
Local: Teatro Oi Futuro// R. Dois de Dezembro, 63 – Flamengo, RJ
Dias: de 6ª a Domingo
Horário: 20h
Entrada: gratuita mediante retirada de senha
Classificação: 16 anos

Instalação: Arte em Travessia (de 18/05 a 12/06)
Local: Teatro Oi Futuro// R. Dois de Dezembro, 63 – Flamengo, RJ
Dias: de 4ª a Domingo
Horário: de 11h às 18h
Entrada: gratuita
Classificação: 12 anos

Intervenção: Entrada Franca aos Visitantes (19/05 a 12/06)
Local: Oi Futuro // R. Dois de Dezembro, 63 – Flamengo, RJ
Dias: de 5ª a domingo
Horário: de 14h às 18h
Entrada: gratuita
Classificação: 12 anos

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*