Home / Arte / VIII Jornada de Educação e Relações Étnico-Raciais do Museu de Arte do Rio começa no dia 23 de novembro
Performer Uýra. Foto: Ricardo Oliveira.
Performer Uýra. Foto: Ricardo Oliveira.

VIII Jornada de Educação e Relações Étnico-Raciais do Museu de Arte do Rio começa no dia 23 de novembro

Professores, educadores e pesquisadores vão trocar experiências e reflexões sobre como a arte e a cultura podem contribuir para a construção de uma educação e sociedade antirracista, inclusiva, plural e democrática

O Museu de Arte do Rio – MAR, sob a gestão do Instituto Odeon, promove a sua VIII Jornada de Educação e Relações Étnico-Raciais entre os dias 23 e 25 de novembro. Realizado desde 2013 pelo MAR, o evento nesta edição será totalmente online, com transmissão ao vivo pelo canal do museu no Youtube. O seminário tem como objetivo o intercâmbio de experiências e reflexões sobre como a arte e a cultura podem contribuir para a construção de uma educação e sociedade antirracista, inclusiva, plural e democrática.

Publicidade: Banner Luiz Carlos de Andrade Lima

A oitava edição do seminário irá reunir um time de peso para as mesas de debate, conferências, oficinas e performance. Dentre os participantes deste ano, estão nomes como o curador-chefe, Marcelo Campos, e o coordenador de educação, Hugo Oliveira, ambos do MAR. Participam ainda a fundadora do Afrofunk Rio, Taisa Machado, os professores Janaína Corenza, Naine Terena e Renato Noguera, a pedagoga e escritora Kiusam de Oliveira, entre outros nomes.

A Jornada de Educação e Relações Étnico-Raciais do MAR é uma ação do Programa Formação e Extensão Universitária, que integra a programação da Escola do Olhar dedicada ao mês da Consciência Negra. Ela é composta por laboratórios, apresentação de pesquisas, projetos e trabalhos em desenvolvimento ou já realizados em espaços escolares e não escolares de educação. O encontro conta com conferências, oficinas, minicursos e mesas de debate com convidados que dialogam com os campos da educação, cultura, arte, literatura, direitos humanos, cultura afro-brasileira e história da África.

PROGRAMAÇÃO COMPLETA:

>> Segunda-feira, 23 de novembro

– 10h – Fala de abertura com o coordenador de educação do MAR, Hugo Oliveira

– 10h10 -10h30Divulgação da experiência de produção do e-book da VII Jornada de Educação e Relações Étnico-Raciais (2019), com Natália Nichols

Lançamento do ebook da VII Jornada, realizada em 2019, reunindo os conteúdos e as temáticas que constituíram o encontro.

– 10h30 às 12h – Palestra de abertura: “O corpo como casa”, com Taisa Machado e Uýra Sodoma / Mediação: Marcelo Campos

A primeira mesa da VIII Jornada de Educação e Relações Étnico-Raciais irá reunir as artistas Taisa Machado e Uýra Sodoma, sob a mediação do curador-chefe do MAR, Marcelo Campos, para repensar o corpo e reverter os traumas da colonialidade, na compreensão da casa como aquilo que nos afeta na relação espiritual e dos territórios que atravessamos. De que maneira a educação e as práticas decoloniais e antirracistas residem na morada do corpo? Quais afetações a favela e a floresta podem nos ensinar sobre os caminhos de uma educação emancipadora?

– 14h às 15h30 – Oficina “Corpo fala” com os educadores do MAR Fernando Porto e Mariana Gon

Hoje fala-se muito em descolonizar os espaços, os pensamentos, sem antes pensar em descolonizar o nosso próprio corpo, refletir sobre suas potências, prazeres e dores. Somos colonizados através dos corpos, somatizados pelas angústias modernas, pelas novas enfermidades e escravizações. Então, como um corpo que carrega tantas histórias, encontros e lugares, se expressa e se comunica de forma criativa e engajada? E hoje, no contexto de pandemia, em que precisamos nos manter em casa socialmente afastados, qual é a nossa relação com o lar e como podemos fazer desse espaço um lugar acolhedor, criativo e lúdico?

Por meio de exercícios teatrais, investigaremos as potências poéticas do corpo e da casa, o que corpo e casa tem a nos ensinar e como podemos articulá-los em um jogo lúdico, criativo e cênico, utilizando seus espaços e objetos para criar releituras de obras da Coleção MAR.

Inscrições: www.sympla.com.br/oficina-corpo-fala__1048115

– 16h às 17h – Performance “Servir ou morrer”, com Raphael Cruz

Sinopse: Nesta performance, Cruz assume o papel de assalariado vestindo seu terno. Após ser impedido de ir à labuta por um imprevisto, é forçado automaticamente a trocar seu serviço por servente de chá para fazer sala aos visitantes exigentes.

>> Terça-feira, 24 de novembro

10h às 12h – 5 comunicadores (15 minutos de apresentação cada)

TERRITÓRIOS E ESPAÇOS CULTURAIS

– Cultivar-se – Niara do Sol e Geancarlos Barbosa

– De impérios africanos ao Rio de Janeiro: reflexões brincantes – Maria Rita Valentim e Gabriela Cyrne

– Valongo, Cais de Ideias: uma experiência de educação patrimonial em uma perspectiva antirracista – Jéssica Hipólito e Luís Araújo

– Mãos que falam e bordam – ensino da cultura afro-brasileira para surdos através do bordado – Elaine Jansen Pereira

– Cartografias e narrativas da presença negra na cidade – Gabriela Leandro Pereira. Co-Autoras: Thalia Santos Silva; Sofia de Carvalho Costa e Lima

13h às 14h30 – 4 comunicadores (15 minutos de apresentação cada)

MULTIDISCIPLINARIDADES E COMUNIDADE ESCOLAR

– Quem conta um conto aumenta um canto: desestabilizando padrões racistas de beleza – Érika Coachman, Gilberto Da Hora, Izabelle Fernandes, Maria Alice Sena, Silvia Velasco, Maksin Oliveira (CAP-UFRJ)

– Neab – Sankofa no mar: protagonismo da juventude negra – Janete Santos Ribeiro, Larissa Lopes Cândido

– Afropop – Cultura e Resistência – A experiência de uma disciplina eletiva na implementação da Lei 10.639/03 no currículo escolar – Karla Monteiro Paranhos

– Trabalhando a África na educação infantil: desafios e perspectivas – Luiza Mandela Silva Soares

14h30 às 16h – 4 comunicadores (15 minutos de apresentação cada)

IMAGINÁRIOS E LINGUAGENS

– Enegrecendo o imaginário: uma proposta de intervenção literária na construção de uma autoestima do aluno negro – Heloisa de Souza.

– Uma educação para as relações étnico-raciais: experiências no ensino de arte – Wendel Salvador Santos, Pablo Enrique Abraham Zunino

– Passinho brabo: superando desafios pandêmicos através da memória em cordel de Manguinhos – Marco Aurélio da Conceição Correa

– Núcleo de Estudos e Extensão em Grafia e Herança Africana – NEGHA UFRJ – Brenda Mel Cosmo De Castro, Dandara Augusto Dos Santos e Gabrielle Braz Santos Brandão

16h10 às 18h – Mesa “Educação, mídias e práticas de enfrentamento ao racismo”, com Renato Noguera – UFRRJ, Janaína de Azevedo Corenza – IFRJ e Naine Terena PUC/SP Mediação: Hugo Oliveira

A segunda mesa da VIII Jornada de Educação e Relações Étnico-Raciais recebe os professores Renato Noguera (UFRRJ), Janaína de Azevedo Corenza (IFRJ) e Naine Terena (PUC-SP) para debater sobre educação, mídias e práticas de enfrentamento ao racismo. O painel, sob a mediação do coordenador de educação do MAR, Hugo Oliveira, abordará as experiências vividas nos espaços escolarizados e não escolarizados com os professores que lidam com a temática racial a partir de suas pesquisas no campo da educação, filosofia e áreas transversais, assim como a utilização de dispositivos tecnológicos dentro dos campos da educação para discutir as especificidades dos desafios para a implementação das leis 10.639 e 11.645 na superação do racismo.

>> Quarta-feira, 25 de novembro

– 10h às 13h – Oficina “bell hooks, uma teórica do porvir: as perspectivas de seu pensamento”, com Luana Luna (IFRJ), Vinícius da Silva (IFRJ) e Matheus Ivan (UFAL)

Nesta oficina, os professores irão abordar, de forma panorâmica e expositiva, as questões principais e as metodologias epistemológicas do pensamento de bell hooks — importante teórica crítica, feminista negra e pensadora contemporânea estadunidense. Passando por temas como pedagogia crítica, teoria feminista, teoria de subjetivação e ética do amor, os proponentes buscam estabelecer as pontes e as fronteiras do pensamento de hooks e porque a autora deve ser lida e entendida nos próprios termos.

Inscrições: www.sympla.com.br/bell-hooks-uma-teorica-do-porvir-oficina-sobre-as-perspectivas-de-seu-pensamento__1047854

– 14h às 16h – Oficina “O corpo negro”, com Valéria Monã

Oficina de transmissão e criação a partir da representação das Yabás. De caráter prático, tem como objetivo maior compartilhar processos de experimentação corporal, incentivando a criação em dança a partir do encontro entre suas corporeidades, suas identidades, ancestralidade e o vocabulário de danças da tradição afro-brasileira.

Inscrições: www.sympla.com.br/oficina-o-corpo-negro–com-valeria-mona__1048037

– 16h às 18h – Oficina “Afrofuturismo”, com Morena Mariah

O Afrofuturismo reflete essencialmente sobre a existência de um futuro onde pessoas negras vivem. Porém, há perguntas que cercam esta existência: quais utopias nos conduzem ao futuro? Quais ficções orientam a humanidade? Através de um olhar para a história social da mídia, a oficina propõe reflexões sobre o papel das ficções na construção do futuro em diálogo com a educação como ferramenta chave para a transformação.

Inscrições: www.sympla.com.br/oficina-afrofuturismocom-morena-mariah__1051776

– 18h10 às 19h10 – Conferência final “Pedagogia eco-ancestral e nós: na fluidez da água do mar tudo o que é, tudo o que foi e tudo que será”, com Kiusam de Oliveira

O Museu de Arte do Rio – MAR

Uma iniciativa da Prefeitura do Rio de Janeiro com a Fundação Roberto Marinho, o Museu de Arte do Rio é gerido pelo Instituto Odeon, uma organização social da Cultura e tem o Grupo Globo como mantenedor, a Equinor como patrocinadora master e o IRB Brasil RE e a Bradesco Seguros como patrocinadores por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

A Escola do Olhar conta com o patrocínio do Itaú e o apoio da Icatu Seguros e do Machado Meyer Advogados via Lei Federal de Incentivo à Cultura. Por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura – Lei do ISS, é também patrocinada pela HIG Capital, RIOgaleão e JSL. A Vale é patrocinadora da exposição “Casa Carioca” por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

O MAR conta ainda com o apoio do Governo do Estado do Rio de Janeiro e realização do Ministério da Cidadania e do Governo Federal do Brasil, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Comentários

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *

*