Casa / Art / IV Festival dei cantastorie dell'educazione CCBB Rio de Janeiro festeggia la settimana del bambino e il 26 anni di CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL

IV Festival dei cantastorie dell'educazione CCBB Rio de Janeiro festeggia la settimana del bambino e il 26 anni di CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL

Di 10 un 12 Ottobre
Sabato e domenica: de 13h às 17h
Lunedi: da 10.00 a 17:0.
Controllare Franca

Distribuzione delle password: 30min antes das atividades, pelo CCBB Educativo no térreo.

CCBB-RJ - Contação. Foto: João Saidler.

CCBB-RJ – Contação. Foto: João Saidler.

Existem muitas formas de encerrar uma narração. Formas matemáticas comoEntrou pelo bico do pato, saiu pelo pé do pinto, quem quiser que conte cinco”, engraçadas comoEra uma vez uma vaca Vitória, deu umacabou-se a históriaou curtinhas: “Trim-trim a história está no fim”. Acreditamos que é um prazer tanto para aquele que narra e tem o privilégio de ofertar ao público uma boa história, como para os ouvintes. Pertanto, podemos dizerAcabou-se o conto e o vento o levou, e todo o mal se foi; e para nós e aqueles que nos escutaram só o bem ficou”.

Em homenagem a semana das crianças e para comemorar os 26 anos do Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro e seu projeto educativo, a Instituição eseguita, di 10 un 12 Ottobre, gli IV Festival de Contadores de Histórias. O projeto trará diversas atrações. Todas têm em comum o contar e ouvir histórias por meio das quais o público poderá descobrir outros lugares, tempos, jeitos de agir e de ser, regras, outra ótica. Assim como a forma de pensar do CCBB Educativo que propõe diálogos, abre possibilidades e multiplica acessos.

Nas apresentações de grupos como Os tapetes contadores de História, Jujuba e Ana Nogueira e Confabulando, ora a palavra constrói o cenário, ora bonecos, adereços e música ao vivo pontuam a narração. A porta está aberta para outros territórios que se descortinam a frente dos espectadores.

Venha se aventurar por essas terras onde é possível ser parte da ficção e viver aventuras. As apresentações são gratuitas. Senhas distribuídas com 30 minuti in anticipo, pelo CCBB Educativo no térreo.

PROGRAMMAZIONE

Contos de Ori
Tatiana Henrique

Sabato, 10 Ottobre, 13h

Sessão variada com um trio de contos e mitos africanos de diversas origens: iorubá, fon, bantos. Em “Exu e o chapéu de duas abas” dois amigos fazendeiros, que fazem tudo juntos, desde pequenosaté o dia em que um homem muito esquisito passa na estrada que corta a terra dos dois. No conto Iroko, vamos conhecer essa a árvore do Tempo que protege a aldeia contra feitiços. Na terceira história, Andjau desde criança sonha em ser pescador, mas muito sem sorte só consegue pescar para comer. É quando, no meio do mar, sob a lua cheia, ele encontra com a Mãe d’água.

Tatiana Henrique atua com contação de histórias há 14 anni, desenvolvendo sua pesquisa cênica na linguagem corporal em contos e mitologias ameríndias, africanas e indianas. É co-organizadora do Festival Carioca de Contação de Histórias.

Histórias ao pé do ouvido
Confabulando

Sabato, 10 Ottobre, às 14h

Repertório: Moça Águia; As três doceiras; Três cavalos encantados, dois irmãos ciumentos e um rapaz corajoso; Rumpeltlstken e Mussá.

Especializado em pesquisa de contos populares, o grupo Confabulando, costituita nel 1994, seleciona histórias registradas por compiladores e reescreve versões para seus espetáculos. Integrantes: Ana Cretton, Maria Clara Cavalcanti, Maria Ignez Corrêa e Olivia Dornelles.

Cantarolando cantos
Jujuba e Ana Nogueira

Sabato, 10 Ottobre, alle 15:0

Os artistas se revezam com violão, ukulele, flauto, acordeom e instrumentos de percussão, alinhavando as narrativas com canções folclóricas e de domínio público, e atraindo o público para participarem das narrativas. A Companhia Cantos do Rio é formada pelos artistas Jujuba & Ana Nogueira, está em atividade há mais de 15 anni.

Era uma vez
CCBB Educativo

Sabato, 10 Ottobre, alle 16:0
Domenica, 11 Ottobre, alle 16:0
Secondo, 12 Ottobre, alle 16:0

O espetáculo “Era uma vez” reúne histórias orais de três continentes que fazem parte do nosso imaginário brasileiro: Europa, África e América.

Ananse e o baú de histórias – um pequeno aldeão das estepes africanas sobe ao céu para pedir ao deus Niame que compartilhe seu bem mais precioso.

O sapo e a princesinha – um típico conto de fada europeu, onde nobres interagem com um gordo e gelado anfíbio.

O pinto Fuleiro – outro conto de fadas, onde coisas surpreendentes acontecem. Animais e a paisagem são personagens que falam e interagem com o protagonista um pequeno pintinho que leva uma reclamação ao rei.

Juca e a serpente do rio – conto da região Norte que mescla personagens do imaginário indígena com referências da população ribeirinha.

A encenação conta com adereços de grande impacto visual com muito humor, música e colorido. Apresentado originalmente na I Bienal de Manaus em 2012 e agora encenado com educadores do grupo de artes cênicas do CCBB Educativo. Roteiro Daniela Chindler e Augusto Pessoa.

Histórias interativas: O belo e o avesso das coisas
Kiara Terra

Sabato, 10 Ottobre, às 17h

Histórias Interativas são um convite para os participantes partilharem suas vivências. A ideia é inventar sentidos novos com empatia e pertencimento à medida que as histórias se encontram. Em “O belo e o avesso das coisas” cruzamos com feitos de heróis que diferem em muito do tipo mais comum encontrado nos contos populares. Nosso herói é ingênuo e distraído, confunde-se, fracassa, erra em seus percursos. Na sua fragilidade, vence! Graças a sorte, talento e sinceridade desconcertante. É ao mesmo tempo fantástico e parecido com todos nós.

Kiara nasceu em São Paulo e é contadora de histórias desde 1998. É escritora com dois livros lançados, “A Menina dos pais crianças” da editora Ática e “Hocus pocus um pai de presente” da Cia das Letras. Ci 15 anos criou o método de narração chamado história aberta. São narrativas colaborativas que acontecem com participação do público. Escuta e técnicas de improvisação são os principais recursos desse modo de narrar histórias.

Soltando os bichos
Baú que Conta e Canta

Domenica, 11 de outubro às, 13h

O espetáculo interativo tem como tema central o cuidado com os outros. No conto “A Joaninha”, o inseto dá uma lição de bondade quando empresta todo seu armário para suas amigas a acompanharem em uma festa. Em “A Fruta Sem Nome”, os animais da floresta estão famintos e precisam ter o que comer. Na história “A Corujinha” nos faz refletir sobre o que é a beleza. Com Sílvia Ferraz e Marcelo Peregrino.

As palavras andantes
Tapetes Contadores de Histórias

Domenica, 11 de outubro às, 14h

Tapetes e livros de pano criados no Brasil e no Peru são o cenário para contos fantásticos de três continentes diferentes. Edison Mego e Warley Goulart narram: “O mistério das Ilhas Pachacamac” (Sud America), “Jojo a vaca” (Europa), “Como o sol passou a brilhar no mundo” e “Como o coelho venceu a baleia e o elefante” (Africa).

Ci 17 anni, o grupo cria e utiliza tapetes, pannelli, malas, aventais, caixas e livros de pano como cenários de contos autorais e populares de origens diversas. O grupo é também referência internacional na pesquisa do diálogo entre oralidade e artes plásticas, intersecções entre texto e têxtil, e manifestações plásticas que os povos criam como cenários para suas narrativas.

Histórias de antanho
Augusto Pessôa

Domenica, 11 Ottobre, alle 15:0

São apresentados contos que permeiam o imaginário popular desde longa data e que levam o espectador de qualquer idade a refletir sobre as relações humanas. Nas narrativas populares, de uma forma irônica, os mais variados sentimentos aparecem: medo, inveja, valentia, esperteza, e molti altri. Esses contos trazem uma reflexão sobre a convivência e a relação entre os homens. Histórias que foram recolhidas por importantes folcloristas, tra Ls: Silvio Romero, Câmara Cascudo e João da Silva Campos.

Augusto Pessôa Trabalha como contador de histórias desde 1994 apresentando espetáculos e realizando oficinas por várias capitais do Brasil. É autor dos interprogramas “O contador de histórias” na TVE, veiculados depois na TV Brasil e canal Futura. Como roteirista adaptou para o palco os contos populares.

Encantos: histórias e canções
Silvia Castro

Domenica, 11 Ottobre, às 17h

Um espetáculo com canções, pequenas narrativas do folclore brasileiro e brinquedos cantados que abre espaço para o encontro entre o jovem e o lúdico. As narrativas e as canções levam os espectadores ao encantamento, ao exercício da memória. A roda de histórias se abre com a lenda indígena que explica como foi que a onça ganhou as pintinhas que tem até hoje. In “O Bicho Folharal”, também indígena, o Macaco vai tentar beber água na casa da Dona Onça. Infine, “A História da Cocavai contar as aventuras de um menino que vai caminhando, ganhando e perdendo objetos pelo caminho, em um jogo da memória. Todas as narrativas são entremeadas por canções do folclore brasileiro tocadas ao violão pelo músico Gustavo Pereira.

Silvia Castro é educadora, attrice, intérprete, contadora de histórias e acredita no poder transformador da palavra. É como sempre diz: “Contar histórias é estar ali e ir além…”

Em cantos e contos
CCBB Educativo

Secondo, 12 Ottobre, às 10h

O CCBB Educativo apresenta o conteúdo das exposições em cartaz nas visitas mediadas, laboratórios, atividades de música e contação de histórias. Ouvir histórias é um transporte para outro universo, onde o ouvinte se transforma em parte da vida de um personagem e passa a ser alguém que ele não é no mundo quotidiano. Existe melhor forma de viver experiências? Por meio da fantasia trazemos assuntos presentes nas exposições e os apresentamos de forma lúdica.

Contos gregos
Grupo Mosaicos

Lunedi, 12 Ottobre, às 11h

Mergulhando no universo da Mitologia Grega, onde podemos experimentar novas sonoridades para contar as histórias de heróis destemidos, disputas entre deuses e humanos, amores quase impossíveis ou aventuras voadoras. Apresentamos o mito do nascimento do Minotauro e sua batalha com Teseu, a disputa entre a tecelã Aracne e a deusa Palas Atena, o encontro de Eros e Psiquê, o Sonho de Ícaro e o Toque de Midas. O encontro determina que mito entra na roda.

Idealizado por Luciana Zule e composto por Maria Coelho e Rudi Garrido, o Grupo Mosaicos é formado por atores, músicos e educadores interessados na arte de contar histórias. Da 2008 produz e realiza sessões de histórias e oficinas, tendo como foco a pesquisa do diálogo entre a narrativa oral e a música instrumental.

Flor e fruto
Marcela Carvalho

Lunedi, 12 Ottobre, 13h

Marcela Carvalho é contadora de histórias e bordadeira. Em suas apresentações tecidos e narrativas se mesclam. Il repertorio: “Lenda do Beija-flor” e “Flor no cabelo”.

Saborosas histórias
Benita Prieto

Lunedi, 12 Ottobre, às 14h

São narrativas orais, intercalada com contos autorias, serão narradas para o público infantil historias de medo como A feiticeira do Rio e As “stemma” penadas de Benita Prieto. Na sessão também haverá muita participação do público com O Castelo Amarelo de Malba Tahan e Maria vai com as outras de Sylvia Orthof.

Benita Prieto é integrante do Grupo Morandubetá. Tem se apresentado pelo Brasil e países como Espanha, Portogallo, Uruguay, Colombia, Venezuela, Cuba, Chile, Argentina, Mozambico. Criadora do Simpósio Internacional de Contadores de Histórias. É presidente do Instituto Conta Brasil e Coordenadora da Red Internacional de Cuentacuentos. Criadora do Codex Clube.

La conferma
Barracão da Potí –

Lunedi, 12 Ottobre, alle 15:0

IV Festival Rio Costurando Histórias. Foto: Claudio Medeiros.

IV Festival Rio Costurando Histórias. Foto: Claudio Medeiros.

Retalhos de arrepiar 2: o baile
Costurando Histórias

Lunedi, 12 Ottobre, às 17h

Em noites de lua cheia, reuniões acontecem na mata, no cemitério e nos tapetes tridimensionais do Costurando Histórias. Ao som da viola caipira, com as batidas do tambor e nos embalos do violão, criaturas arrepiantes e misteriosas bailam livres em algum lugar do imaginário popular. Direção e Roteiro de Daniela Fossaluza, inspirado no conto de Fabio Sombra. Elenco: Daniela Fossaluza, Denise Goneve, Cindy Ribeiro e Cezar Augusto Pereira.

O Costurando Histórias é um coletivo de artistas que completará 15 anos em atividade, criando a partir da ideia de transformar histórias de livros em tapetes tridimensionais que contam histórias. Os tapetes são os cenários onde os bonecos de pano vivem suas aventuras através das mãos dos narradores.

IV Festival de Contadores de Histórias
Di 10 un 12 Ottobre
Sabato e domenica: de 13h às 17h
Lunedi: da 10.00 a 17:0.
Centro Cultural Banco do Brasil
First Street Marzo, 66 - Centro, Rio de Janeiro.

Informações CCBB Educativo – 1º andar
(21) 3808 2070 / 3808 2254
Controllare Franca

Distribuzione delle password: 30min antes das atividades, pelo CCBB Educativo no térreo

www.bb.com.br/cultura/ www.twitter.com/ccbb_rj/ www.facebook.com/ccbb.rj

Commenti

3 commenti

Lascia un Commento

Il tuo indirizzo email non verrà pubblicato.I campi obbligatori sono evidenziati *

*