Home / Arte / Arte Flamenga – Renascimento do Norte Europeu por Rosângela Vig
São Jorge e o Dragão, Weyden, antes de 1432-1435, National Gallery of Art, Washington. Ailsa Mellon Bruce Fund.

Arte Flamenga – Renascimento do Norte Europeu por Rosângela Vig

Você também pode ouvir esse artigo na voz da própria Artista Plástica Rosângela Vig:

 

Rosangela_Vig_Perfil_2

Rosângela Vig é Artista Plástica e Professora de História da Arte.

Arte Flamenga – Renascimento do Norte Europeu por Rosângela Vig

O Belo enobrece a sensibilidade e sensifica a razão. Ele ensina a atribuir um valor à forma. Com o belo aprende-se a amar as coisas sem egoísmo, apenas por causa de sua forma. (SCHILLER, 2004, p.84)

Para Schiller (1759-1805), a obra bela se liga a questões éticas porque transcende o material, ao promover sensações subjetivas. O Belo, nesse sentido, sensibiliza, desperta sentimentos prazerosos no espírito, pela apreciação, pelo ajuizamento dos propósitos do artista. Nesse sentido, a grande obra permite ser descortinada sempre e dela serem extraídos novos significados, a cada novo olhar. Tal propósito ficou nítido na Arte do Renascimento e em especial na Pintura Flamenga, que floresceu entre os séculos XV e XVII, ao Norte da Europa. A Arte Flamenga, como é chamada, corresponde às produções artísticas da região de Flandres, na época, localizada na faixa entre a Bélgica, os Países Baixos e regiões vizinhas, como França e Alemanha 1.

O local, na Idade Média, era formado por feudos, e recebeu a denominação de Países Baixos no século XVI, pelo Imperador Carlos V da Espanha. Faziam parte da região, sete províncias, incluindo Bélgica e Luxemburgo. No século XIX, Bélgica e Luxemburgo se separaram e apenas a Holanda passou a constituir os Países Baixos. O nome é devido ao local ser muito plano e por ter parte de seu território abaixo do nível do mar, protegido por diques e por barragens. O Norte da Europa foi profundamente afetado pela Reforma Protestante no século XVI e, após um período de lutas pelo poder e de crises religiosas, os reis da França e da Espanha impuseram seu domínio, na região. As mudanças no destino de Flandres deixaram nítidas marcas na Arte que ali se desenvolveu.

A Anunciação, 1434/1436, Jan van Eyck.

Fig. 1 – A Anunciação, Van Eyck, 1434-1436, National Gallery of Art, Washington. Andrew W. Mellon Collection.

O intercâmbio cultural, facilitado pelas rotas mercantis entre o norte e o sul da Europa, acabou por inspirar os artistas flamengos. Por lá, grandes nomes surgiram e a região ainda atraiu jovens pintores, de países vizinhos, que eram convidados para trabalhar nas cortes. Os pintores flamengos eram donos de uma incrível técnica realista e, aos primeiros deles, também são atribuídos o aperfeiçoamento e a popularização da pintura a óleo 2. Sua Arte teve origem no final do período Gótico, também chamado de Gótico Tardio, no final da Idade Média. São considerados os fundadores da Escola Flamenga pré-renascentista, o “Mestre de Flémalle” (provavelmente Robert Campin) (1375-1444) e Jan Van Eyck (1380/90-1441) (Fig. 1). Mais tarde, destacaram-se Rogier van der Weyden (1400-1464) (Fig. 2), Petrus Christus (1410/20-1475/6), Hans Memling (1430-1494) e Hugo van der Goes (1440-1482).

São Jorge e o Dragão, 1432/1435, National Gallery of Art, Washington.

Fig. 2 – São Jorge e o Dragão, Weyden, antes de 1432-1435, National Gallery of Art, Washington. Ailsa Mellon Bruce Fund.

Entre os artistas flamengos, havia uma cultura de observação atenta e detalhista da realidade e a valorização da forma tradicional da Arte. Tal atributo foi explorado de forma ilustre numa das mais belas obras de Van Eyck, A Anunciação (Fig. 1). Alvo de discussões entre historiadores, pela simbologia, tudo indica que a pintura seja parte de um tríptico. A imagem retrata o momento em que o anjo Gabriel anuncia à Virgem Maria que ela terá o filho de Deus. O cenário de fundo é o de uma igreja, em estilo gótico; o piso apresenta desenhos da cena do Antigo Testamento; e até mesmo as janelas apresentam referências religiosas. As roupas do anjo e da Virgem ainda demonstram minuciosa riqueza de detalhes no desenho, nas dobras, nas pregas e no caimento dos tecidos. A saudação a Maria está registrada com as inscrições “Ave Gra Plena” (Ave Maria cheia de Graça) do anjo; e a resposta da Virgem à Anunciação inscrita “Ecce Ancilla Dni” (Eis a serva do Senhor). Como as palavras são dirigidas a Deus, foram escritas de cabeça para baixo.

Jardim das Delícias Terrenas, Hieronymus Bosch

Fig. 3 – Jardim das Delícias Terrenas, Hieronymus Bosch, 1503/4, Museu do Prado, Madrid, Espanha.

A partir do século XVI, a influência do Renascimento, resultou em pinturas notáveis. Nessa fase destacaram-se os artistas holandeses Hieronymus Bosch (1450-1516) (Figuras 3 e 5), Dirk Bouts (1415-1475) e Pieter Bruegel (O Velho) 3 (1525/30-1569); e os alemães Albrecht Dürer (1471-1528), Matthias Grünenwald (1470-1528), e o grande retratista Hans Holbein (1497-1543) (Fig. 4). A vida dos camponeses nas pequenas aldeias e seu cotidiano foi retratada de maneira célebre por Bruegel. Albrecht Dürer, inspirado nos clássicos gregos e romanos, baseou-se em uma observação detalhada da realidade, para reproduzir fielmente a natureza.

Edward VI quando era Criança, provavelmento 1538, Hans Holbein the Younger (German, 1497/1498 - 1543 ), Andrew W. Mellon Collection.

Fig. 4 – Edward VI quando Criança, Hans Holbein, 1538, National Gallery of Art, Washington. Andrew W. Mellon Collection.

A incrível técnica e a exploração de temas profanos da Arte Flamenga ficaram nítidas na excepcional obra de Bosch, O Jardim das Delícias Terrenas (Fig. 3). O tríptico, destinado a um palácio aristocrático, apresenta um painel central de 2,15 m por 1,90 m, e dois painéis laterais de 2,15 m por 95 cm. O Paraíso Terrestre, do lado esquerdo, embora não se pareça com aquele descrito pela Bíblia, tem como elementos centrais, Deus, Adão e Eva, recém-criada. Próximo a eles, emergem de um lago, criaturas rastejantes e assustadoras, em meio a outros animais. O Jardim das Delícias está no painel central e corresponde aos prazeres da carne. Entre detalhes inocentes e eróticos, há homens e mulheres nus em meio a uma estranha natureza, com animais e plantas bizarros e grotescos. No centro do painel, está a Fonte da Luxúria, onde há mulheres sedutoras. O painel do lado direito apresenta uma cena abominável do inferno, com punição pelos pecados carnais, por meio da tortura. Fazendo uso impecável de detalhes e de cores, Bosch conseguiu retratar de forma surpreendente as inquietações do espírito humano, referentes aos prazeres materiais, à fragilidade humana e à busca pelas virtudes e pela espiritualidade. O tríptico fechado, ainda apresenta a imagem do globo terrestre, pintado em branco e preto, contrastando com o colorido do interior. A revolucionária obra que inquietou os surrealistas no século XX, é a concepção pessimista de um mundo dominado pelo pecado. Para o monge espanhol José de Siguenza (1544-1606), as pinturas de Bosch eram “uma sátira pintada dos pecados e desvarios da humanidade” (José de Sigüenza, WELTON, 2014, p.127).

A Morte e o Avarento, 1485/1490, Hieronymus Bosch (Netherlandish, c. 1450 - 1516 ). Samuel H. Kress Collection.

Fig. 5 – A Morte e o Avarento, Hieronymus Bosch, 1485-1490, National Gallery of Art, Washington. Samuel H. Kress Collection.

O impressionante realismo da obra Flamenga também ficou estampado nas obras de Hans Holbein. Na figura 4, o artista retratou o príncipe Edward VI ainda bebê, com uma das mãos segurando um cetro e com a outra em um gesto de abençoar. A criança está próxima a um parapeito, destinado à realeza e a figuras sagradas. A obra, feita em 1538, ainda apresenta um poema em Latim e há minuciosos detalhes de suas vestes. A obra Os Embaixadores 4 de Hans Holbein, foi uma das primeiras pinturas a mostrar duas figuras em tamanho natural.

Lot e suas Filhas, 1496/1499, Albrecht Dürer (German, 1471 - 1528 ), Samuel H. Kress Collection.

Fig. 6 – Lot e suas Filhas, Albrecht Durer, por volta de 1496-1499, National Gallery of Art, Washington. Samuel H. Kress Collection.

No século XVII, em virtude das Flandres fazerem parte do Império espanhol, a aproximação artística entre ambas se intensificou, e toda a beleza Arte Flamenga acabou por adquirir feições do Barroco. A pintura de Peter Paul Rubens (1577-1640), influenciada pela beleza da obra do amigo espanhol Diego Velázquez (1599-1660), adquiriu colorido e dinamismo. Esse espírito vigoroso da obra de Rubens ainda inspirou seus conterrâneos como o pintor Antoon Van Dyck. Enquanto isso, na recém-criada República da Holanda, Rembrandt (Fig. 7) (1606-1669) e Johannes Vermeer (Fig. 8) (1632-1675) apresentavam um estilo descritivo e austero, com cenas do cotidiano. Embora pouco se saiba sobre a obra da figura 8, que surgiu pela primeira vez em 1881, num leilão, em Haia, cuja autoria é atribuída a Vermeer, o que chama a atenção é o efeito da luz sobre os rosto da moça, sobre os tecidos e sobre o brinco de pérola.

A Aula de Anatomia do Dr. Nicolaes Tulp de Rembrandt Harmensz van Rijn

Fig. 7 – A Lição de Anatomia do doutor Tulp, Rembrandt, 1632, Mauritshuis, Haia.

Em 1640, a morte de Rubens e em 1648, o fim da Guerra dos Oito Anos, maracaram o declínio cultural de Flandres, que só renasceu em 1830, com a Revolução Belga. A Arte produzida a partir de então, passou a ser considerada belga. A pintura flamenga foi fruto de uma cultura visual baseada na observação cautelosa da realidade, associada a um caráter simbólico. Esse traço resultou em obras que deixaram evidentes a habilidade dos artistas e sua capacidade criativa e interpretativa do mundo real. E talvez ainda seria justo terminar o texto com a frase de um grande artista, como segue

Gostaria de pintar retratos que daqui a cem anos aparecessem como uma revelação (…) não por fidelidade fotográfica, mas antes (…) pela valorização de nossos conhecimentos e de nosso gosto presente na cor, como meio de expressão e de exaltação do caráter. (VAN GOGH, 2007, p.48)

Garota com Brinco de Pérola de Johannes Vermeer

Fig. 8 – Garota ou Moça com Brinco de Pérola, Vermeer, 1665/1666, Mauritshuis, Haia.

A compreensão da bela Arte vai além da forma e da cor, está na natureza expressiva e metafórica de cada detalhe, de cada minúcia. A contemplação da grande Arte permite sensificar a os sentimentos racionais. Assim é a obra bela, assim é a inspiradora Arte Flamenga.

1 Vale lembrar que atualmente a região de Flandres é referente ao Norte da Bélgica, onde se fala o Neerlandês, também conhecido como Flamengo. A região ao sul da Bélgica é chamada de Valônia e as línguas oficiais são o francês e o alemão. Link para a história da Bélgica e o mapa atual:
psephos.adam-carr.net/countries/b/belgium/statsbelgium.shtml

2 A história da tinta a óleo pode ser vista no site do Metropolitan Museum:
www.metmuseum.org/toah/hd/optg/hd_optg.htm

3 Arte Flamenga – vídeo com descrição da obra de Bruegel:
www.youtube.com/watch?v=2sTA-9h9HnU

4 Obra Os Embaixadores de Hans Holbein – link para descrição da obra:
www.youtube.com/watch?v=lYEwg7beYC4

5 Pintura Anamórfica:
www.youtube.com/watch?v=D1ntP7IgBzg

Museu do Prado

Inaugurado em 1819, o Museu do Prado, localizado na cidade de Madri, é o mais importante da Espanha e um dos mais importantes do mundo. Sua construção teve início no reinado de Carlos III e terminou no reinado de Fernando VII. No acervo estão importantes obras da Arte espanhola, da francesa, da flamenga e da italiana.

Como os Países Baixos integraram o império da Espanha, o museu abriga importantes pinturas da Arte Flamenga. Entre os artistas há nomes como Hans Memling, Rogier van der Weyden, Hieronimus Bosch, Brueghel, Dirk Bouts, Rubens, Rembrandt e Van Dyck. Ainda há nomes de importantes artistas da pintura italiana desde o Renascimento, até o século XVIII. À coleção do museu, somam-se esculturas da antiguidade clássica; uma coleção de arte decorativa; e desenhos de Francisco de Goya. Na visita virtual, é possível escolher o idioma e conhecer mais obras de cada artista.

Link para o museu do Prado: www.museodelprado.es

.

Gostou? Deixa um comentário!

.

Vem conosco, Saiba das Novidades pelo e-mail:

Email

.

.

Você poderá gostar também:

.

Referências:

BAYER, Raymond. História da Estética. Lisboa: Editorial Estampa, 1993. Tradução de José Saramago.

EAGLETON, Terry. A Idéia de Cultura. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

FARTHING, Stephen. Tudo Sobre a Arte. Rio de Janeiro: Sextante, 2011.

GOMBRICH, E.H. A História da Arte. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1988.

HAUSER, Arnold. História Social da Arte e da Literatura. Martins Fontes, São Paulo, 2003.

MEIRELES, Cecília. Janela Mágica. São Paulo: Ed.Moderna, 1988.

SCHILLER, Friedrich Von. A Educação Estética do homem. 4a. edição. S.Paulo: Ed. Iluminuras, 2002

SCHILLER, Friedrich Von. Fragmentos das Preleções sobre Estética. Belo Horizonte: Ed. UFMG – Departamento de Filosofia, 2004.

VINCENT VAN GOGH, Grandes Mestres da Pintura. Folha de São Paulo, S.Paulo, 2007.

CHILVERS, Ian; ZACZEK, Iain; WELTON, Jude; BUGLER, Caroline; MACK, Lorrie. História Ilustrada da Arte. Publifolha, S.Paulo, 2014.

.

As figuras:

Fig. 1 – A Anunciação, Van Eyck, 1434-1436, National Gallery of Art, Washington. Andrew W. Mellon Collection.

Fig. 2 – São Jorge e o Dragão, Weyden, antes de 1432-1435, National Gallery of Art, Washington. Ailsa Mellon Bruce Fund.

Fig. 3 – Jardim das Delícias Terrenas, Hieronymus Bosch, 1503/4, Museu do Prado, Madrid, Espanha.

Fig. 4 – Edward VI quando Criança, Hans Holbein, 1538, National Gallery of Art, Washington. Andrew W. Mellon Collection.

Fig. 5 – A Morte e o Avarento, Bosch, 1485-1490, National Gallery of Art, Washington. Samuel H. Kress Collection.

Fig. 6 – Lot e suas Filhas, Albrecht Durer, por volta de 1496-1499, National Gallery of Art, Washington. Samuel H. Kress Collection.

Fig. 7 – A Lição de Anatomia do doutor Tulp, Rembrandt, 1632, Mauritshuis, Haia.

Fig. 8 – Garota ou Moça com Brinco de Pérola, Vermeer, 1665/1666, Mauritshuis, Haia.

.

.

Comentários

Você também pode ouvir esse artigo na voz da própria Artista Plástica Rosângela Vig:   Arte Flamenga – Renascimento do Norte Europeu por Rosângela Vig O Belo enobrece a sensibilidade e sensifica a razão. Ele ensina a atribuir um valor à forma. Com o belo aprende-se a amar as coisas sem egoísmo, apenas por causa de sua forma. (SCHILLER, 2004, p.84) Para Schiller (1759-1805), a obra bela se liga a questões éticas porque transcende o material, ao promover sensações subjetivas. O Belo,…

Revisão Geral

Coerência
Coesão
Conteúdo
Clareza Textual
Formatação

Excelente!!

Sumário : Avalie o artigo! Agradecemos sua participação!!

Avaliação do Usuário: 4.67 ( 15 votos)

29 comentários

  1. Pingback: Desenho – Estudo de Cores, Passo a passo 3 de como desenhar por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

  2. Pingback: Desenho – Movimento, Passo a passo 4 de como desenhar por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

  3. Pingback: Maneirismo por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

  4. Pingback: Barroco por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

  5. Pingback: O Barroco no Brasil por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

  6. Pingback: Desenho – Produção Artística, Passo a passo 7 de como desenhar por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

  7. Pingback: Desenho – Produção Artística, Passo a passo 8 de como desenhar por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

  8. Pingback: Desenho – Produção Artística, Passo a passo 9 de como desenhar por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

  9. Pingback: Desenho – Produção Artística, Passo a passo 10 de como desenhar por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

  10. Pingback: Arte Neoclássica por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

  11. Pingback: Arte Flamenga – Renascimento do Norte Europeu, por Rosângela VigPoliarquia > | Poliarquia

  12. Pingback: O Rococó no Brasil por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

  13. Pingback: Arte Grega, História da Arte na Grécia Antiga por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

  14. Pingback: A Arte Romana por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

  15. Pingback: Idade Média, Arte Românica e Arte Gótica por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

  16. Pingback: A Arte Primitiva por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

  17. Pingback: A Arte Egípcia por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

  18. Pingback: A Arte Naif – Arte Ingênua por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

  19. Pingback: A Contemporaneidade, Um pouco sobre a Arte Urbana por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

  20. Pingback: Romantismo por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

  21. Pingback: Romantismo no Brasil por Rosângela Vig | Site Obras de Arte

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *

*